terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Falta de ideias gerais, reivindicações mesquinhas... Quem enfia o barrete?


“E mesmo quando se mostravam descontentes, como sucedia por vezes, o descontentamento não levava a coisa nenhuma, pois desprovidos de ideias gerais, só conseguiam canalizá-lo para reivindicações limitadas e mesquinhas. Os males maiores geralmente escapavam à sua percepção.”
George Orwell, Mil Novencentos e Oitenta e Quatro, Antígona, Lisboa, 1991, pág. 78.

George Orwell refere-se aos proles. Perceber quem são os proles é fácil: basta ler o romance, que (à semelhança de muitas obras - mas não todas - da melhor literatura, da melhor filosofia e da melhor divulgação científica) constitui um contra-exemplo à célebre máxima de Platão: “O belo é difícil”.
Menos fácil talvez seja perceber quem é que, na sociedade portuguesa actual, pode ser descrito com as palavras de George Orwell. Como é costume nestas coisas, é duvidoso que alguém vá enfiar a carapuça – ou o barrete, pouco importa o nome, pois o que está em causa é a necessidade da culpa morrer solteira.
Seja como for, como voto de Ano Novo deixo aqui o desejo de que em 2009 cada vez menos portugueses (nomeadamente no complicado sector do ensino, da aprendizagem e da política educativa) possam ser descritos pelas palavras de George Orwell que citei.
Complementarmente, desejo também que a crise económica não seja, afinal, tão grave como agora se prevê.

2 comentários:

Anónimo disse...

Livro fantastico. Um romance no qual Orewll Realiza um ensaio sobre as ideias e o modo de pensar dos diferentes tipos de pessoas. Mais dificil de perceber que a literatura chamada comum mas muito mais proveitosa.

Alexnietzsche disse...

um dia abri a porta da diminuta despensa do corredor da casa, e entre muitos livros vi um pequenino de lombada amarela, li o titulo "O triunfo dos Porcos", desfolhei-o e encetei uma leitura que terminou dias depois... tinha 11 anos!