terça-feira, 15 de outubro de 2019

Matriz do 1º teste do 10º ano



Ano letivo: 2019/2020

Duração do teste: 90 minutos

Estrutura do teste: contém itens de escolha múltipla, correspondências, itens de resposta curta, itens de resposta restrita e um item de resposta extensa.

Objetivos:

1. Conhecer pelo menos oito exemplos de questões filosóficas.
2. Explicar porque é que as questões filosóficas são concetuais.
3. Explicar porque é que as questões filosóficas são básicas.
4. Explicar porque é que as questões filosóficas estão em aberto.
5. Distinguir questões filosóficas de questões não filosóficas em exemplos dados.
6. Mostrar porque é que a filosofia requer pensamento crítico.
7. Explicar o que é a lógica.
8. Explicar o que é uma proposição.
9. Distinguir frases que exprimem proposições de frases que não exprimem proposições.
10. Explicar o que são ambiguidades e distinguir ambiguidades semânticas e ambiguidades sintáticas.
11. Explicar porque é importante – na filosofia e noutras áreas do conhecimento - evitar ambiguidades.
12. Classificar proposições quanto à qualidade (afirmativas e negativas) e quanto à quantidade (universais, particulares e singulares).
13. Reescrever frases universais, particulares e singulares de modo a que as proposições sejam expressas de modo canónico.
14. Nomear e explicar as relações lógicas contidas no Quadrado da Oposição.
15. Determinar o valor de verdade de proposições dadas tendo em conta o Quadrado da Oposição.
16. Negar proposições universais, particulares e singulares.
17. Explicar o que é uma conetiva (ou operador) proposicional.
18. Distinguir proposições simples e compostas.
19. Nomear as conetivas proposicionais consideradas pela lógica proposicional: negação, conjunção, disjunção (inclusiva e exclusiva), condicional e bicondicional.
20. Identificar a forma canónica e algumas formas alternativas de cada conetiva proposicional.
21. Reescrever frases com conetivas proposicionais de modo a que as proposições sejam expressas de modo canónico.
22. Identificar e usar os símbolos representativos das conetivas proposicionais (constantes lógicas).
23. Saber o que são variáveis proposicionais.
24. Fazer o dicionário de proposições dadas.
25. Formalizar proposições dadas.
26. Reconhecer o âmbito das conetivas proposicionais usadas numa proposição.
27. Compreender a tabela de verdade de cada operador proposicional.
28. Compreender o que são condições suficientes e condições necessárias.
29. Determinar as condições de verdade de proposições compostas através da construção de tabelas de verdade.

Para estudar:

Fotocópias.

PDF’s.


Opcional:





quinta-feira, 26 de setembro de 2019

O médico que apenas sabe medicina, nem medicina sabe


"O médico que apenas sabe medicina, nem medicina sabe.”
No contexto de uma conversa na aula sobre a importância do conhecimento na nossa vida, alguns dos meus alunos de ciências defenderam que a sua formação não deveria incluir o estudo da literatura (ou pelo menos de certas obras) e alguns dos temas filosóficos que já estudámos. Também houve, naturalmente, quem discordasse e defendesse o contrário. 
Como referi na altura, vale a pena ouvir o discurso de um médico português famoso sobre os livros que marcaram a sua vida. Ele destaca importância que teve na sua formação a boa “prosa portuguesa”, nomeadamente os Maias, e um filósofo cético chamado Montaigne.
Um médico como o João Lobo Antunes, reconhecido a nível mundial pelo seu trabalho na área da neurocirurgia, quando lhe perguntaram pelos livros da sua vida não refere nenhum de ciência. Porque será?

Sem dúvida que este é um contraexemplo ao que foi defendido por alguns dos alunos na aula. 

quarta-feira, 25 de setembro de 2019

Quiz: questões sobre os tipos de conhecimento e a definição platónica

image
Este Kahoot (clicar na imagem para aceder ao link do jogo) permite responder, online (no telemóvel ou no tablet), a 12 questões de escolha múltipla (algumas retiradas de exames nacionais) sobre os diferentes tipos de conhecimento e a definição tradicional de conhecimento.
Bom trabalho a todos!

domingo, 22 de setembro de 2019

Só os instruídos são livres?

Escada(Homem subindo escada em preto e branco
Epicteto (um filósofo romano que durante muitos anos foi escravo) disse:
“Não devemos acreditar nos muitos que afirmam que só as pessoas livres devem ser instruídas, mas devemos antes acreditar nos filósofos que dizem que só os instruídos são livres” (Dissertações).
Epicteto tinha razão.