sexta-feira, 14 de junho de 2019

Preparação para o Exame Nacional de Filosofia: enunciados e critérios de correção

Resultado de imagem para philosophical thinking

A figura foi retirada daqui.


No site do IAVE onde podem ter acesso aos exames nacionais de Filosofia (714) realizados até 2017 e aos critérios de correção: ver AQUI.

Os exames nacionais de Filosofia realizados em 2018

1ª Fase

Enunciado

Critérios de correção

2ª Fase

Enunciado

Critérios de correção

Época Especial

Enunciado

Critérios de correção

segunda-feira, 10 de junho de 2019

A moralidade muda

Dave Robinson, Ética no Quotidiano – Guia Prático

«A moralidade é passada de geração em geração sem ser muito questionada. Mas pode mudar. Em tempos, a maioria das pessoas pensava que nada havia de errado em observar um urso a ser despedaçado por uma matilha de cães – dava um esplêndido dia de lazer para toda a família. Hoje, ficamos mais alarmados e perturbados com a crueldade desnecessária com os animais e pensamos que a perseguição aos ursos é uma coisa errada. Muitos de nós hoje pensam que a caça à raposa é provavelmente também cruel. E a maioria das pessoas deixou de pensar que a homossexualidade é perversa. Parece que a sociedade progrediu. Mas não há razão para nos tornarmos demasiado complacentes. Os seres humanos não estão necessariamente a ficar demasiado agradáveis, ano após ano. Ainda fazemos coisas más. E continuam a surgir novos problemas morais com que não sabemos lidar. Deveríamos permitir que o governo prendesse as pessoas sem julgamento, no caso de serem terroristas? Deveríamos permitir que torturassem suspeitos para obter mais informações?

Então, porque mudam desta maneira as crenças morais? De onde vêm, já agora?»

Dave Robinson, Ética no Quotidiano – Guia Prático, Gradiva, Lisboa, maio de 2019, pp. 9-10.

Algumas pessoas consideram que, dos factos referidos por Dave Robinson, se infere que a moral é relativa. Mas não é o caso do próprio autor: após a passagem citada ele acrescenta que dizer que as crenças morais vêm da sociedade “é a resposta fácil”.

Vale a pena ler mais!

https://www.gradiva.pt/catalogo/46314/etica-no-quotidiano

segunda-feira, 20 de maio de 2019

Matriz do 6º teste do 10º ano

Ano letivo: 2018-2019

Duração: 90 minutos

Objetivos:

1. Dar exemplos de problemas de filosofia política.

2. Explicar em que consiste o problema da justiça distributiva.

3. Esclarecer o que é o capitalismo e o que é o comunismo.

4. Explicar, de acordo com Rawls, os conceitos de posição original e véu de ignorância.

5. Explicar cada um dos princípios de justiça propostos por Rawls.

6. Mostrar porque é que, de acordo com Rawls, o princípio da liberdade tem primazia sobre os outros.

7. Mostrar em que medida Rawls defende ideias kantianas.

8. Mostrar porque é que Rawls rejeita o utilitarismo.

9. Explicar a regra maximin.

10. Analisar e discutir o argumento segundo o qual a distribuição da riqueza não se deve basear em fatores moralmente arbitrários.

11. Explicar em que medida a teoria de Rawls tenta conciliar a igualdade e a liberdade individual.

12. Mostrar em que medida a teoria de Nozick constitui uma tentativa de refutar a teoria de Rawls.

13. Mostrar em que medida Nozick defende ideias kantianas.

14. Explicar as objeções à teoria de Nozick estudadas.

15. Explicar outras objeções à teoria de Rawls.

16. Comparar a teoria de Rawls com a teoria de Nozick e com outras críticas e discutir qual é a teoria mais plausível.

17. Defender uma opinião acerca do problema da justiça distributiva.

---

18. Explicar os conceitos de determinismo e de livre-arbítrio.

19. Explicar qual é o problema do livre-arbítrio.

20. Apresentar a tese defendida pelo determinismo radical.

21. Explicar as razões a favor do determinismo radical.

22. Explicar as objeções ao determinismo radical estudadas.

23. Confrontar o determinismo radical com as objeções estudadas.

24. Apresentar a tese defendida pelo libertismo.

Natureza das questões:

Escolha múltipla, correspondências, questões de resposta curta e uma questão de resposta extensa.

Para estudar:

No manual: partes assinaladas das páginas 166, 168, 169, 170, 174 (problema da justiça distributiva), 65, 75, 90 (problema do livre-arbítrio).

PDF´s e Fotocópias

Livre-arbítrio: uma ilusão? (Vídeo)

Opcional:

Desigualdade social: a história de Richard e Paula (1) (banda desenhada)

Desigualdade social: a história de Richard e Paula (2) (banda desenhada)
O véu da ignorância: vídeo
Cinco ideias centrais sobre Rawls (esquema)

Pêssegos e duelos: exemplos ilustrativos do problema do livre-arbítrio

Tive, por acaso, possibilidades de escolha? (exemolo, excerto de um romance)

Um homem livre que não acreditava no livre-arbítrio
Na opinião dos alunos, existe ou não livre arbítrio? (trabalhos de alunos)

Matriz do 5º teste do 11º ano

Ano letivo: 2018-2019

Duração: 90 minutos

Objetivos:

1. Distinguir religiões monoteístas de religiões politeístas.

2. Explicar a a conceção teísta de Deus.

3. Distinguir o ateísmo do agnosticismo.

4. Distinguir a abordagem racional do problema da existência de Deus da fé.

5. Enunciar o problema da existência de Deus.

6. Explicar o argumento do desígnio.

7. Explicar as objeções estudadas ao argumento do desígnio.

8. Explicar o argumento da causa primeira.

9. Explicar as objeções estudadas ao argumento da causa primeira.

10. Explicar o argumento ontológico.

11. Explicar as objeção estudada ao argumento ontológico.

12. Explicar o problema do mal e o modo como este permite questionar a existência de Deus.

13. Explicar as respostas ao problema do mal.

14. Comparar e confrontar os argumentos a favor e contra a existência de Deus.

15. Defender uma tese acerca do problema da existência de Deus.

Natureza das questões:

Escolha múltipla, questões de resposta curta e uma questão de resposta extensa.

Para estudar:

Fotocópias

Opcional:

Se o mundo tivesse 100 pessoas: estatísticas interessantes
A objecção de Kant ao argumento ontológico: a existência não é um predicado

Se Deus existe porque é que acontecem coisas tão más?

O homem que foi visitado por Deus (vídeo humorístico)
O problema do mal em versão light, ou very light (vídeo humorístico)