sexta-feira, 26 de outubro de 2018

Matriz do 1º teste do 10º ano

ssdfre

Ano letivo: 2018/2019

Duração do teste: 90 minutos.

Estrutura do teste: contém itens de escolha múltipla, correspondências, itens de resposta curta, itens de resposta restrita e um item de resposta extensa.

Objetivos:

1. Conhecer pelo menos oito exemplos de questões filosóficas.

2. Explicar porque é que as questões filosóficas são concetuais.

3. Explicar porque é que as questões filosóficas são básicas.

4. Explicar porque é que as questões filosóficas estão em aberto.

5. Distinguir questões filosóficas de questões não filosóficas em exemplos dados.

6. Mostrar porque é que a filosofia requer pensamento crítico.

7. Explicar o que é a lógica.

8. Explicar o que é uma proposição.

9. Distinguir frases que exprimem proposições de frases que não exprimem proposições.

10. Explicar o que são ambiguidades e distinguir ambiguidades semânticas e ambiguidades sintáticas.

11. Explicar porque é importante – na filosofia e noutras áreas do conhecimento - evitar ambiguidades.

12. Classificar proposições quanto à qualidade (afirmativas e negativas) e quanto à quantidade (universais, particulares e singulares).

13. Reescrever frases universais, particulares e singulares de modo a que as proposições sejam expressas de modo canónico.

14. Nomear e explicar as relações lógicas contidas no Quadrado da Oposição.

15. Determinar o valor de verdade de proposições dadas tendo em conta o Quadrado da Oposição.

16. Negar proposições universais, particulares e singulares.

17. Explicar o que é uma conetiva (ou operador) proposicional.

18. Distinguir proposições simples e compostas.

19. Nomear as conetivas proposicionais consideradas pela lógica proposicional: negação, conjunção, disjunção (inclusiva e exclusiva), condicional e bicondicional.

20. Identificar a forma canónica e algumas formas alternativas de cada conetiva proposicional.

21. Reescrever frases com conetivas proposicionais de modo a que as proposições sejam expressas de modo canónico.

22. Identificar e usar os símbolos representativos das conetivas proposicionais (constantes lógicas).

23. Saber o que são variáveis proposicionais.

24. Fazer o dicionário de proposições dadas.

25. Formalizar proposições dadas.

26. Reconhecer o âmbito das conetivas proposicionais usadas numa proposição.

Para estudar:

Fotocópias (até à página 11) e PDF’s.

No blogue Dúvida Metódica:

O que é a filosofia?

Estudo da religião: a parte da Sociologia e a parte da Filosofia

Problemas filosóficos e problemas não filosóficos

Descubra a questão mais básica

Ambiguidade sintática

Ambiguidades

Ambiguidade

Não é só na filosofia que a ambiguidade é um problema

terça-feira, 16 de outubro de 2018

Matriz do 1º teste do 11º ano

Cerebro numa cuba 1  [brain_in_a_vat_thought_bubble%2520%2520c%25C3%25A9rebro%2520numa%2520cuba%255B4%255D.jpg]

Ano letivo: 2018/2019

Duração: 90 minutos.

Estrutura: contém itens de escolha múltipla, correspondências, itens de ordenação, itens de resposta curta, itens de resposta restrita e itens de resposta extensa.

Objetivos:

1. Explicar o que é a Epistemologia.

2. Diferenciar os vários tipos de conhecimento (conhecimento prático, conhecimento por contacto e conhecimento proposicional).

3. Apresentar a definição tradicional de conhecimento.

4. Mostrar porque é que a verdade é uma condição necessária do conhecimento.

5. Mostrar porque é que a justificação é uma condição necessária do conhecimento.

6. Mostrar porque é que cada uma dessas condições isoladas ou agrupadas duas a duas não constituem condições suficientes do conhecimento.

7. Explicar a diferença entre o conhecimento a posteriori e o conhecimento a priori.

8. Explicar o que é o cepticismo e distinguir o ceticismo moderado e o ceticismo radical.

9. Mostrar qual é, segundo o ceticismo radical, o problema da justificação.

10. Discutir se o ceticismo radical se autorrefuta.

11. Explicar em que consiste o argumento cético dos erros percetivos.

12. Explicar em que consiste o argumento cético da regressão infinita da justificação.

13. Conhecer alguns cenários céticos: sermos um cérebro numa cuba, a vida ser um sonho, a situação descrita no filme Matrix, etc.

14. Mostrar em que medida o ceticismo lança um desafio a quem se afirma detentor conhecimento.

15. Mostrar como é que Descartes tentou responder ao desafio cético.

16. Explicar o que é a dúvida metódica.

17. Explicar porque razão Descartes tinha como objetivo encontrar uma crença indubitável e básica.

18. Indicar quais são as principais etapas do percurso da dúvida metódica.

19. Mostrar porque é que Descartes recorreu à hipótese da vida ser um sonho.

20. Mostrar porque é que Descartes recorreu à hipótese do Génio Maligno.

21. Mostrar porque é que Descartes considera o Cogito como indubitável.

22. Mostrar como é que o argumento da marca tenta provar a existência de Deus.

23. Explicar em que consiste o critério das ideias claras e distintas.

24. Mostrar qual é a função de Deus no sistema cartesiano.

25. Explicar a objecção segundo a qual Descartes foi incoerente ao considerar a existência de Deus como provada.

26. Explicar a objeção que diz: “criar a ideia de perfeição é diferente de criar a própria perfeição”.

27. Explicar a objeção do círculo cartesiano.

28. Avaliar e discutir a tentativa feita por Descartes para refutar o ceticismo e fundamentar o conhecimento.

O aluno deve conhecer exemplos ilustrativos de cada um dos tópicos.

Para estudar:

o Fotocópias.

o Fichas de trabalho enviadas por email.

o Imagens mostradas nas aulas e enviadas por email.

o No blogue Dúvida Metódica:

Tipos de conhecimento (imagens com exemplos)
Ficha de trabalho: identificação dos diferentes tipos de conhecimento 

O Deco não percebe nada de Epistemologia (exemplo)

Um “sinal de Deus” será uma boa justificação?  (exemplo)
Uma dúvida inspiradora para os alunos do 11º ano (cartoon)

Como são parecidas a ilusão e a realidade! (distinção entre ilusões e alucinações)

Algumas imagens que nos levam a duvidar dos nossos olhos e o cepticismo radical (vídeo com exemplos)

A minha vida é real: conhecimento ou mera crença? (experiência mental do cérebro numa cuba)

O caro leitor não está a ler (noção de contradição pragmática)

Cartoons cartesianos

Vejo, logo aprendo (vídeos sobre Descartes)

Aconselhado:

Penso, logo não cozinho! (cartoon)

A vida será um sonho?

Objecção a Descartes: o Cogito é um entimema e não uma crença básica

BOM TRABALHO!


sábado, 30 de junho de 2018

Dar notas não é um ato solitário

reunião de professores

De acordo com a lei em vigor, as classificações dos alunos são atribuídas pelo conselho de turma e não pelo professor de cada disciplina. O professor propõe uma classificação, mas esta só se torna efetiva se for aprovada pelo conselho de turma, ou seja, pelos outros professores do aluno.

Não se trata de uma formalidade sem importância. Por isso, a imposição de serviços mínimos na greve dos professores às reuniões de avaliação decidida recentemente por um colégio arbitral, impondo que as reuniões se possam realizar com metade dos professores mais um, entre outras consequências perversas (como limitar o direito à greve dos professores) descredibiliza o processo de avaliação e prejudicará os alunos de um modo muito mais grave que a própria greve.

Como é natural, na maior parte dos casos a classificação atribuída é a classificação proposta pelo professor. Contudo, há diversas situações em que os outros professores têm uma palavra a dizer.

Há casos em que subir um valor a classificação de um aluno numa disciplina lhe permite transitar de ano ou, transitando de ano, inscrever-se na disciplina no ano seguinte. A análise desse género de casos, para ser rigorosa e justa, tem de envolver todos os professores do aluno, havendo um votação em que todos participam e em que não existem abstenções (as decisões são tomadas por maioria, tendo o diretor de turma voto de qualidade em caso de empate).

Mesmo quando não há lugar a votações formais, ouvir os colegas discorrer sobre um certo aluno e inteirar-se da sua situação escolar global leva por vezes os professores a repensarem a classificação que tinham proposto para ele.

E há ainda casos, felizmente raros mas infelizmente reais, em que um conselho de turma se apercebe que as classificações propostas não respeitam os critérios aprovados na escola e tem de intervir.

Essas e outras situações mostram que a atribuição de uma classificação a um aluno não deve ser uma decisão individual de um professor, mas sim uma decisão analisada e escrutinada por todos os professores do aluno e aprovada pelo menos pela maioria deles.

Se num conselho de turma em que participam apenas metade mais um dos professores for necessário fazer uma votação, uma decisão importante poderá ser aprovada por apenas um quarto dos professores do aluno.

Por isso, a decisão do colégio arbitral e antes disso as decisões políticas do governo que motivaram esta greve dos professores são uma perversão da avaliação e, dada a importância da avaliação, da própria educação.

terça-feira, 15 de maio de 2018

Matriz do 5º teste do 11º ano

ciência evolução

Duração: 90 minutos + 10 minutos de tolerância.

Objetivos:

1. Explicar o que é o senso comum e caracterizá-lo.

2. Mostrar que o senso comum é útil mas limitado.

3. Explicar a importância atualmente atribuída à ciência.

4. Explicar a perspetiva indutivista do método científico.

5. Explicar as objeções ao indutivismo estudadas: a ciência estuda fenómenos inobserváveis; a observação pura não é possível.

6. Explicar a conceção falsificacionista de ciência.

7. Mostrar como é que o falsificacionismo distingue entre ciência e pseudociência.

8. Explicar a posição de Popper relativamente ao problema da indução.

9. Explicar a perspetiva falsificacionista do método científico.

10. Explicar as objeções ao falsificacionismo estudadas: a sua conceção do método científico é normativa e não descritiva; não valoriza suficientemente a importância dos resultados positivos.

11. Comparar e avaliar o indutivismo e o falsificacionismo.

12. Explicar a perspetiva de Popper acerca da objetividade e progresso da ciência.

13. Explicar o conceito de paradigma, segundo Kuhn.

14. Explicar os conceitos de ciência normal, anomalia, crise, ciência extraordinária e revolução científica.

15. Explicar a perspetiva de Kuhn sobre a objetividade e progresso da ciência.

16. Explicar as objeções a Kuhn estudadas.

17. Comparar e avaliar as perspetivas de Popper e Kuhn acerca da objetividade e progresso da ciência.

18. Mostrar em que condições dizemos que uma atividade tem sentido.

19. Apresentar o problema do sentido da vida.

20. Explicar a perspetiva pessimista acerca do sentido da vida.

21. Explicar as objeções à perspetiva pessimista acerca do sentido da vida.

22. Explicar a perspetiva religiosa acerca do sentido da vida.

23. Explicar as objeções à perspetiva religiosa acerca do sentido da vida.

24. Discutir a plausibilidade das perspetivas acerca do sentido da vida estudadas.

A. Conhecer exemplos ilustrativos de todos os conceitos referidos.

B. Identificar os conceitos referidos em exemplos dados pelo professor.

Para estudar:

Fotocópias e PDF’s fornecidos aos alunos.

No Manual: pp. 202, 203 e 204 (indutivismo e objeção ao indutivismo); pp. 211 e 212 (entrevista a Popper acerca da conceção falsificacionista de ciência); pp. 215 a 228 (problema da objetividade da ciência: Popper e Kuhn); 239 e 240 (texto de Tolstói acercada relação entre a morte e o sentido da vida).

No blogue Dúvida Metódica:

Links sobre o senso comum

Algumas diferenças entre o senso comum e a ciência

Carta para Josefa, minha avó (texto)

Carta para Josefa, minha avó (vídeo)

Links sobre ciência
Não, não estamos no centro do Universo! (exemplos)
O que têm em comum as corujas e o GPS? (exemplos)
A aplicação do conhecimento científico em Marte (exemplos)
Os chimpanzés e orangotangos têm personalidade, tal como nós (exemplos)

O que pode a ciência provar?

As teorias científicas são falsificáveis

O falsificacionismo de Karl Popper
A teoria de Popper aos pedacinhos (vídeo)

Um cientista popperiano

A evolução da ciência: Popper e Kuhn (esquema e resumo)

Links sobre o problema do sentido da vida

Antes de responder é preciso entender a pergunta
Sombras minúsculas (breves citações sobre a brevidade da vida)

Será a vida uma brincadeira estúpida? (texto de Tolstói)

A injustiça da morte: uma história de M. S. Lourenço

Complementar

Filosofia da Ciência

O que é a ciência?

Quando o original é mais risível que a caricatura (vídeo do Gato Fedorento sobre astrologia)

Medicinas alternativas: ciência ou aldrabice?

Engodo. Homeopatia é ineficaz e até perigosa, diz estudo
Mente aberta

É preciso avaliar as tradições

Sentido da vida

Para que servem os dias? (poema)
Qual é o sentido da vida? (cartoon)

A morte e o sentido da vida (cartoon e vídeo)

A minha vida (texto escrito por Oliver Sacks quando descobriu que tinha um cancro muito letal)

O que farias hoje se o mundo acabasse amanhã?

sábado, 12 de maio de 2018

Matriz do 6º teste do 10º ano

ética

Duração: 90 minutos + 10 minutos de tolerância.

Objetivos:

1. Explicar em que consiste o problema da fundamentação da moral.

2. Explicar porque é que o utilitarismo de Stuart Mil é uma ética consequencialista.

3. Explicar porque é que o utilitarismo de Stuart Mil é uma ética hedonista.

4. Distinguir prazeres inferiores e superiores.

5. Explicar o que é, segundo Stuart Mill, o princípio da utilidade.

6. Aplicar o princípio da utilidade a casos concretos e determinar se a ação em causa é moralmente correta ou incorreta.

7. Explicar porque é que, para o utilitarismo de Stuart Mil, os deveres não são absolutos.

8. Explicar porque é que o utilitarismo não é uma ética relativista.

9. Explicar as objeções ao utilitarismo de Stuart Mil estudadas.

10. Explicar porque é que a ética defendida por Kant é deontológica.

11. Explicar o que é, segundo Kant, o imperativo categórico.

12. Explicar a primeira fórmula (chamada fórmula da lei universal) do imperativo categórico.

13. Explicar a segunda fórmula (chamada fórmula da humanidade) do imperativo categórico.

14. Aplicar as duas fórmulas do imperativo categórico a casos concretos e determinar se a ação em causa é moralmente correta ou incorreta.

15. Explicar porque é que ética deontológica não é uma ética relativista.

16. Distinguir ações contrárias ao dever, ações por dever e ações em conformidade ao dever (motivadas por sentimentos e motivadas pelo interesse).

17. Explicar porque é que, para Kant, o motivo é que confere valor moral às ações.

18. Distinguir imperativo categórico e imperativo hipotético.

19. Explicar porque é que, para Kant, os deveres são absolutos.

20. Explicar o que entende Kant por boa vontade.

21. Distinguir autonomia e heteronomia.

22. Explicar as objeções à ética deontológica de Kant estudadas.

23. Comparar e avaliar a ética de Stuart Mill e a ética de Kant.

24. Dar exemplos de problemas de filosofia política.

25. Explicar em que consiste o problema da justiça distributiva.

26. Explicar o que é o capitalismo.

27. Explicar o que é o comunismo.

28. Explicar como é que, segundo Rawls, se podem identificar princípios de justiça de um modo imparcial.

29. Explicar cada um dos princípios de justiça propostos por Rawls.

Leituras:

PDF´s e fotocópias fornecidas aos alunos.

No manual: Textos de Stuart Mill nas páginas 133, 134 e 136. Esquema da página 145. Texto de Kant na página 146. Textos de John Rawls nas páginas 166 e 168.

No blogue Dúvida Metódica:

ÉTICA:

O eléctrico desgovernado: discussão de um dilema moral
Será correto sacrificar uma pessoa para salvar centenas?
Discussão de um dilema moral: qual seria a ação correta?

Stuart Mill:

Qual é o critério da moralidade?
O utilitarismo: ideias básicas
Qual é a ação correta?

Apontamento sobre o Utilitarismo  (tópicos)

Mentir é sempre errado? (vídeo com exemplo)
Vídeo sobre o utilitarismo
Quais são os prazeres superiores?
Argumentos contra o utilitarismo

Kant:

Deveres e autonomia

Os imperativos de Kant (esquema)

As pessoas não são instrumentos

Quando é que as nossas ações têm valor moral?

Quais são as acções que têm valor moral? (ficha de trabalho)

Por dever ou apenas em conformidade ao dever? (caso real)

Agir bem para evitar problemas (BD)

Ser livre é obedecer à lei moral
Três minutos com Kant (vídeo)

Aconselhado

Um prazer superior

O que é mais importante que a felicidade?
É melhor servir que mandar despoticamente
O imperativo categórico é consequencialista?

FILOSOFIA POLÍTICA

Filosofar não é discutir o sexo dos anjos

Uma experiência mental oportuna

quarta-feira, 25 de abril de 2018

Poderá haver um regime político melhor que a democracia?

Contra-a-Democracia

Hoje é um bom dia para chamar a atenção para este livro: Contra a Democracia, de Jason Brennan, editado pela Gradiva em 2017. O 25 de abril trouxe a democracia aos portugueses e pudemos descobrir pelos nossos próprios meios o que muitos outros já sabiam: a democracia não é um sistema perfeito, longe disso, mas é MUITO melhor que as alternativas existentes. Contudo, não será possível descobrir (ou talvez inventar) alternativas melhores? É precisamente isso que Jason Brennan tenta fazer neste livro: imaginar formas de organizar a vida política melhores que a democracia. Analisa sistematicamente muitos defeitos da democracia, como por exemplo a ignorância e falta de preparação dos eleitores, e discute os méritos e os defeitos de uma alternativa epistocrática, ou seja, o governo dos sábios. Brennan considera que há mais vantagens que desvantagens nesse tipo de solução e analisa várias possibilidades: algumas implicariam grandes alterações nos atuais regimes democráticos, outras implicariam apenas pequenos ajustes. É improvável que o autor conheça a afirmação de José Saramago (que, misturadas com muitas asneiras, também disse algumas coisas certas) de que não devemos considerar a democracia como um ponto de chegada, mas sim como um ponto de partida; contudo, é precisamente isso que ele tenta fazer. Este livro é, portanto, contra a democracia, mas não a favor da ditadura.

De qualquer modo, concorde-se ou não com Jason Brennan, não seria nada democrático não discutir o valor da democracia. Nesta, pelo contrário, costuma valorizar-se o espírito crítico e o debate livre de ideias – o que implica a possibilidade de discutir mesmo os valores mais fundamentais. A democracia só pode ganhar com uma tal discussão. Se desta resultar a refutação dos seus críticos, a democracia fica fortalecida. E não parece que perca se dessa discussão resultar a descoberta de um sistema melhor, quer este seja um aperfeiçoamento localizado do regime democrático quer envolva a sua substituição por um tipo de organização que continue a fazer bem o que a democracia faz bem e faça melhor o que a democracia faz mal.

domingo, 8 de abril de 2018

O valor da discordância

Nicholas Rescher

«Será que a discordância [por exemplo na filosofia e na ciência] serve algum propósito construtivo? É evidente que pode e deve fazê-lo. Pois dá a cada participante de uma controvérsia um incentivo para alargar e aprofundar o conhecimento ao procurar razões convincentes. Lidar com a discordância com base em razões é claramente um estímulo à investigação e evita que nos rendamos demasiado facilmente à nossa inclinação inicial para identificar as nossas opções com a verdade incontestável das coisas.»

Nicholas Rescher, Uma viagem pela filosofia em 101 episódios, Gradiva, Lisboa, 2018, pp. 21-22.

sábado, 10 de março de 2018

Matriz do 4º teste do 11º ano




Duração: 90 minutos + 10 minutos de tolerância. 

Objetivos:


1.   Explicar o que é a dúvida metódica e os objetivos de Descartes ao usá-la.
2.   Explicar quais são as principais etapas do percurso da dúvida metódica, nomeadamente a hipótese da vida ser um sonho e a hipótese do Génio Maligno.
3.   Explicar porque é que Descartes considera o Cogito como uma crença básica e indubitável.
4.   Explicar como é que Descartes tenta provar a existência de Deus.
5.   Explicar em que consiste o critério das ideias claras e distintas.
6.   Explicar qual é a função de Deus no sistema cartesiano.
7.   Explicar as objeções contra Descartes estudadas.
8.   Avaliar e discutir a tentativa feita por Descartes para refutar o ceticismo e fundamentar o conhecimento.
9.   Explicar e discutir as críticas de Hume a Descartes.
10.               Mostrar como Hume classifica e relaciona os conteúdos mentais.
11.               Explicar em que consiste o princípio da cópia.
12.               Explicar a rejeição empirista das ideias inatas.
13.               Distinguir as questões de facto e as relações de ideias.
14.               Discutir a opinião de Hume de que nenhum conhecimento a priori é substancial.
15.               Explicar o modo como Hume entende a causalidade.
16.               Explicar as objeções à perspetiva de Hume acerca da causalidade
17.               Explicar a análise feita por Hume ao problema da indução.
18.               Mostrar porque é que David Hume se considera um cético moderado.
19.               Comparar a perspetiva racionalista e a perspetiva empirista quanto ao problema da origem do conhecimento.
20.               Avaliar e discutir as ideias de David Hume acerca do conhecimento.


Natureza das questões

Escolha múltipla; identificação e avaliação de exemplos; questões de resposta curta, circunscrita e extensa.

Para estudar

No Manual: 

PDF’s dados aos alunos. 

No blogue Dúvida Metódica

Descartes:

O caro leitor não está a ler (noção de contradição pragmática)
Vejo, logo aprendo (vídeos sobre Descartes)

David Hume:


Opcional: