terça-feira, 30 de setembro de 2008

Validade dedutiva


Um ARGUMENTO VÁLIDO é um argumento em que as premissas justificam a conclusão. Dito por outras palavras: a conclusão deriva das premissas, é uma consequência lógica delas. As ideias que estão na conclusão seguem-se das ideias que estão nas premissas. Pensar nas premissas leva a pensar na conclusão.

Por isso, se as premissas forem verdadeiras será impossível (no caso dos argumentos dedutivos) ou improvável (no caso dos argumentos não dedutivos) a conclusão ser falsa. Dito por outras palavras: os argumentos válidos preservam a verdade.

Neste texto será apenas explicado o caso dos argumentos dedutivos.

Num argumento dedutivo válido é impossível as premissas serem verdadeiras e a conclusão ser falsa. Mas isso não significa que a conclusão de um argumento dedutivo válido seja sempre verdadeira.

Se as premissas forem falsas a conclusão também poderá ser falsa. Uma vez que a conclusão é uma consequência lógica das premissas, a falsidade destas pode levar à falsidade da conclusão.

Por outro lado, também existem argumentos válidos em que as premissas são falsas e a conclusão é verdadeira.

Recapitulemos as várias possibilidades. Um argumento válido pode ter:

Premissas verdadeiras e conclusão verdadeira.

Premissas falsas* e conclusão falsa.

Premissas falsas* e conclusão verdadeira.

(*Todas as premissas ou algumas delas.)

Estas duas últimas possibilidades não são contraditórias com a definição de validade dedutiva apresentada. Mesmo nesses casos a conclusão é uma consequência lógica das premissas. Quando as premissas de um argumento dedutivo válido são falsas basta-nos imaginar o que sucederia se fossem verdadeiras: a conclusão também teria que ser verdadeira.

É preciso sublinhar um aspecto para evitar confusões. Para um argumento dedutivo ser válido não basta ter premissas e conclusão verdadeiras. Um argumento inválido também pode ter premissas e conclusão verdadeiras. Para um argumento dedutivo ser válido é preciso que, sendo as premissas verdadeiras, seja impossível a conclusão ser falsa. A verdade das premissas tem de excluir completamente a possibilidade da conclusão ser falsa.

Se uma pessoa aceita a verdade das premissas de um argumento dedutivo válido está logicamente obrigada a aceitar a verdade da sua conclusão – pois esta é uma consequência necessária daquelas. Caso reconheça a verdade das premissas e não queira reconhecer a verdade da conclusão estará a cair em contradição, estará a ser incoerente e inconsequente.

Um ARGUMENTO INVÁLIDO é um argumento em que as premissas não justificam a conclusão. É um argumento em que, apesar de existirem palavras como “Logo” ou “Portanto” a indicar que uma das frases é consequência das outras, essa frase (conclusão) não se segue efectivamente dessas outras frases (premissas). Ou seja: o argumento apresenta-se como se essa frase (a conclusão) fosse consequência das outras frases, mas ela não é.

Num argumento inválido não há conexão lógica entre as premissas e a conclusão. Essa falta de conexão pode-se exprimir de um modo coloquial dizendo “uma coisa não tem nada a ver com a outra” – mesmo que pareça que tem (como sucede nas falácias, que são argumentos inválidos que parecem válidos).

Por isso, num argumento dedutivo inválido pode suceder aquilo que é impossível num argumento dedutivo válido: as premissas serem verdadeiras e a conclusão falsa. Por outro lado, também podem ocorrer as três possibilidades que caracterizam os argumentos válidos.

Recapitulemos as várias possibilidades. Um argumento inválido pode ter:

Premissas verdadeiras e conclusão falsa.

Premissas verdadeiras e conclusão verdadeira.

Premissas falsas* e conclusão falsa.

Premissas falsas* e conclusão verdadeira.


(*Todas as premissas ou algumas delas.)

Num argumento inválido, uma vez que não há conexão lógica entre premissas e conclusão, uma vez que a relação entre as premissas e a conclusão é arbitrária, tudo pode suceder. É uma questão de calhar assim, trata-se de acasos.

(Nota: Por facilidade de expressão falou-se de premissas no plural. Isso não significa naturalmente que alguns argumentos não tenham apenas uma premissa.)


7 comentários:

Anónimo disse...

Gostei imenso da publicação e consegui esclarcer dúvidas que nem atravéis de manuais tinha conseguido esclarecer!

Elisangela Alves disse...

Adorei tudo que vi aqui. Tinha dúvidas pontuais acerca do assunto e esse material conseguiu esclarecer pontos obscuros que ainda possuía.
Obrigada e parabéns pelo texto!

Anónimo disse...

Excelente artigo. Sou-lhe imensamente grata.

Mariana Costa disse...

boa tarde, os argumentos dedutivos inválidos nao preservam a verdade ?

Carlos Pires disse...

Boa tarde. Não, não preservam.

Cristina Vieira disse...

Boa noite,
Preciso de uma ajuda de um pensamento claro:
Considere as seguintes afirmações:
1. Todos os argumentos com premissas e conclusão verdadeiras são válidos.
2. Se um argumento é inválido, então tem premissas falsas.
3. Argumentos com conclusão falsa podem ser dedutivamente válidos.

Selecione a opção correta:

a. As afirmações 1, 2 e 3 são verdadeiras.
b. As afirmações 1 e 2 são falsas; a afirmação 3 é verdadeira.
c. As afirmações 1 e 2 são verdadeiras; a afirmação 3 é falsa.
d. As afirmações 1, 2 e 3 são falsas.

A resposta considerada correta é a B

Eu não creio.
Não vejo transcrita a opção que expressa a opção correta.
Estou errada?
Sou professora, n Barreiro. Esta questão saiu no exame nacional de 2014, 2ª fase.
Muito obrigada

Carlos Pires disse...

Bom dia Cristina.

Julgo que a opção correta é de facto a B.
Vejamos:
1 é falsa, pois há muitos argumentos com premissas e conclusão verdadeiras que são inválidos.
2 é falsa, pois há muitos argumentos inválidos mas que não têm premissas falsas.
3 é verdadeira, pois de facto há argumentos com conclusão falsa podem ser dedutivamente válidos – caso pelo menos uma das suas premissas seja falsa.
Agora não tenho tempo, mas depois posso dar-lhe exemplos das 3 situações.
Espero tê-la ajudado.