quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Como é que filosofamos?

cabeça_vazia

O cartoon, sem referência de autor, foi retirado deste sítio.

«Como é que filosofamos? É visivelmente apenas a partir do momento em que nos encontramos em diálogo com os filósofos. Isso implica debatermos com eles os problemas (...). Uma coisa é constatar e descrever as opiniões dos filósofos, outra completamente diferente é debater o que eles dizem.»

Martin Heidegger, Qu’est ce que la philosophie?, Gallimard.

5 comentários:

Carlos Pires disse...

Claro que ao lermos um filósofo devemos discutir as ideias dele. Caso contrário não estaremos a filosofar.
Todavia, também se pode filosofar sem ser nesse diálogo com um filósofo: podemos simplesmente pensar num problema, sem ter em conta nenhum filósofo. Consta que Wittgenstein não leu a maior parte dos filósofos, mas sem dúvida que filosofou.
Não estou a negar a importância de ler os filósofos, mas apenas a defender que não é uma condição indispensável.

Aires Almeida disse...

Como é que filosofamos? NÃO é visivelmente apenas a partir do momento em que nos encontramos em diálogo com os filósofos. Isso implica debatermos com eles os problemas (...). Uma coisa é constatar e descrever as opiniões dos filósofos, outra completamente diferente é debater o que eles dizem, coisa a que curiosamente Heidegger não era muito dado.

É muito difícil debater com Heidegger porque não é fácil saber o que ele diz e, quando se percebe, damo-nos conta de que se trata de trivialidades ou de afirmações por justificar.

Ficamos ainda a saber que, segundo Heidegger, Descartes também não filosofava. Mas aí Heidegger até é coerente, pois afirmava que a filosofia fala grego e que tudo o resto são comentadores. Enfim, há que ter paciência!

Gerson Machado de Avillez disse...

Qual dos dois vc está fazendo?

Sara Raposo disse...

Carlos e Aires:

Aquilo que me parece mais relevante no que o Heidegger refere – pensando, sobretudo, nos alunos que iniciaram agora o estudo da disciplina de Filosofia - é a diferença existente entre a História da Filosofia e a Filosofia. Ou seja: “Uma coisa é constatar e descrever as opiniões dos filósofos, outra completamente diferente é debater o que eles dizem.”

“Debater o que eles dizem” significa ser capaz de confrontar as ideias defendidas por um qualquer filósofo com as suas próprias ideias ou as de outros.

Não fazer isso e ficar pela memorização e reprodução das ideias dos filósofos não tem valor filosófico, nem qualquer outro valor intelectual (digamos assim).

Julgo que Heidegger, ao dizer que filosofar implica discutir o que os filósofos disseram, não está a afirmar que o ponto de partida dessa discussão tenha de ser, necessariamente, o conhecimento das ideias contidas nos textos filosóficos. Estes são uma resposta a determinados problemas. Ao reflectir acerca de uma dada questão filosófica – estaremos sem dúvida a filosofar. O confronto com o pensamento dos filósofos pode ocorrer e ser uma oportunidade, por exemplo, para esclarecer ou reformular as nossas ideias ou poderá não acontecer (Heidegger não diz que isto não seja possível).

Pode-se filosofar sem ter lido filósofos e, por isso, qualquer pessoa poder ser, em potência, um filósofo: é um facto. Só que não são muitas as pessoas que têm capacidade e originalidade (como foi o caso de Wittgenstein e de Descartes) para alcançar esse feito. Na maior parte das vezes, quando alguém emite pontos de vista filosóficos sobre um determinado assunto, se pretender ser inovador, não quiser cair na superficialidade e na autocomplacência, convém-lhe conhecer e compreender as principais ideias já apresentadas sobre esse mesmo assunto. Até para não cometer os erros já cometidos por outros.

Seja como for, é verdade que o Heidegger naquele excerto não diz explicitamente que se pode filosofar sem ter lido filósofos. E é verdade que essa ideia (como qualquer outra, aliás) deve ser apresentada de modo explícito.
Sendo assim, considero aquelas linhas incompletas e não falsas.

Todavia, parece-me que, ao contrário do que faz o Aires, a melhor forma de discordar da afirmação de Heidegger não é fazendo referências ao seu carácter (o facto de não gostar de debater) e generalizações sobre o que ele escreveu (classificando tudo como ou obscuridades ou como trivialidades e afirmações por justificar). Há que ter paciência para distinguir o que importa: as ideias apresentadas na citação transcrita.

Devo dizer que o Heidegger (como qualquer outro filósofo) não me provoca, à partida, nenhum tipo de indignação especial, limito-me a concordar ou discordar daquilo que ele diz, procurando argumentar.

Não julgo que seja necessário conhecer a filosofia de Heidegger ou a sua personalidade para discutir as ideias a que ele se refere. E o facto dele defender algumas ideias manifestamente falsas (como por exemplo a suposta necessidade de saber grego para filosofar) não é razão suficiente para garantir à partida que qualquer outra coisa que ele tenha escrito é também falsa. Diversos filósofos (Kant, por exemplo) deixaram escritas afirmações manifestamente falsas (por exemplo afirmações sexistas e racistas) e isso não nos faz suspeitar à partida de toda e qualquer outra afirmação sua.

Devo dizer que li muito pouco do que Heidegger escreveu, pois acho que muitas vezes a sua escrita é pouco clara e se interpõe entre o leitor e os problemas que ele está a discutir. Quando um texto se torna ele próprio o problema deixa de me interessar (a Filosofia não é de modo nenhum uma hermenêutica). Todavia, não me atrevo a garantir que tudo o que Heidegger escreveu é obscuro ou então trivial. As linhas que coloquei no post, embora criticáveis pela omissão referida, não são nem uma coisa nem outra.

Agradeço os vossos comentários.

Cumprimentos.

gisia disse...

Filosofar não é apenas dialogar com alguém!
É sim debater o assunto com ele...
Sé um dia voce caro leitor for dialogar com um Filosofo de verdade e você so falar, falar e falar para ele voce não estará fiosofando e sim praticamente discordando da palavra dele,que para ele você não chega á sabedoria dele,entao se um dia voce for filosofar com um verdadeiro filosofo entrenda sobre o que ele fala e tente debater dentro desse mesmo assunto para que ele se sinta certo do que ele esta explicando e que ele sinta que voce poderá ser um grande Filosofo(a)no futuro...