quinta-feira, 17 de maio de 2012

Popper, Darwin e o tédio

Para os meus alunos do 11º C e D que têm teste intermédio de Biologia amanhã.

O prefácio de Darwin ao livro (traduzido em português por Vítor Guerreiro) pode ser lido aqui. Sobre a importância desta obra de Darwin, vale a pena ler aqui.

Nas aulas de Filosofia (do 11º ano), tenho questionado os alunos acerca do significado de uma das ideias de Darwin - “a seleção natural” – que fazem parte do programa de Biologia e Geologia e que eles andam a estudar agora (o teste intermédio desta disciplina é amanhã). Para se compreender a forma como Popper explica a evolução da ciência é preciso entender algumas ideias básicas de Darwin. Segundo este filósofo, o que acontece em relação ao progresso científico é comparável ao que se passa no reino animal. Na ciência apenas sobrevivem as teorias mais aptas que, ao serem submetidas a testes, resistem às tentativas de refutação. É devido a esta “seleção natural” que os erros vão sendo eliminados ou corrigidos e a ciência nos permite obter cada vez mais e melhores explicações para os fenómenos.

O que me impressionou nas respostas dos alunos - e me deu que pensar - foi a maneira mecânica e enfadada como alguns alunos reproduziram algumas das ideias de Darwin, como se nelas não houvesse nada de entusiasmante. Observei-lhes que eu tinha descoberto - por mero acaso - um facto que me parecia, verdadeiramente, extraordinário e que contrariava a atitude entediada que alguns deles demonstravam em relação a este assunto:

A obra de Darwin, “A origem das espécies” encontra-se traduzida em português e é uma das obras cuja leitura é aconselhada no Plano Nacional de Leitura (LER +) implementado pelo ministério.

Resposta de vários alunos (admito que há exceções, mas são uma minoria silenciosa nas aulas):

- “Oh, professora, mas nós não lemos livros desses! Não gostamos de ler!”

Retorqui:

- “E, então, porque é que querem ir para a universidade?”

1 comentário:

Joao disse...

A teoria da evolução mostra como coisas mais complexas ou sofisticadas podem vir das mais simples.

É uma ideia contra-intuitiva e propões que possamos ir de coisas como as que temos hoje no universo até chegar ao infinitamente simples.

A ideia é tão contra-intuitiva que chegou a haver um argumento para existencia de deus baseada no que se acreditava antes. Que era que as coisas mais complexas têm de ter origem numa mais complexa ainda. Logo o universo e o homem tinham de ter uma causa superior, Deus.

Penso que se poderá perguntar aos alunos o que eles acham. Se coisas complexas podem vir de origens mais simples.

Esse é o grande passo da teoria da evolução. É alterar a maneira como pensamos acerca das causas e dos efeitos e do que podemos esperar numa sequencia de eventos.

Acho que se fosse professor experimentava o "teaser" pedia para justificar, e provavelmente depois podia mostrar como isso está já em coisas que eles aprenderam.