quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Debater ideias online (1)

image (Esperamos que esta imagem não descreva aquilo que vai acontecer aqui).

Segundo a UNESCO, amanhã, dia 17 de Novembro, é o DIA MUNDIAL DA FILOSOFIA. A melhor forma de o celebrar é discutir ideias e debater problemas filosóficos. Assim, propomos aos alunos das turmas do 10º ano (A, B, C e D) e do 11º ano (C, D e F), e a todos os outros eventuais interessados, que apresentem e discutam – na caixa de comentários deste blogue - as suas ideias. Sugerimos para o debate as seguintes questões:

A pena de morte é moralmente correta ou incorreta? Porquê?

Ver no post seguinte seguinte a segunda questão sugerida. 

86 comentários:

Anónimo disse...

Eu sou a favor da pena de morte, e penso que alias em muitos sitios há pouca. Na minha opinião a pena de morte "dá" mais segurança as pessoas, porque leva os criminosos a pensar duas vezes antes do crime, porque ele sabe que se fizer o crime é provável que seja executado. Mas também nao se aplica pena de morte a todos os crimes, ao meu ver devia-se aplicar penas de morte a crimes como: Homicidios; Casos de "tortura" ( quando dao uma grande "sova" a uma pessoa, por causa de dividas, por exemplo ); grandes assaltos ( como bancos, grandes edificios e até casas ).
Penso que todas as pessoas têem os mesmo direitos, e quem desrespeita os direitos dos outros gravemente e INTECIONALMENTE devia ser punido.
Também ha um "contra" por assim dizendo, que por vezes muitos inocentes sao executados, por isso até nao se ter a certeza de que é mesmo a pessoa certa nao se devia aplicar.
Também diminui muito a taxa de mortalidade, e os países também eram mais ricos e seguros, porque ha muitos assaltos em que levam muito dinheiro e fazem muitos estragos que também saí muito caro.
Existem também muitos terrorsitas e "Serial Killer" psicopatas, que matam por "diversão" e no final muitos deles so apanham cadeia, o que é injusto porque se ele tirou a vida a muitas pessoas porque é que tem o direito de continuar vivo? A vida dessas pessoas nunca mais se vai recuperar.
Além do mais que com a crise as pessoas já fazem tudo por dinheiro muitas delas incuindo matar, e se houvesse mais pena de morte muitas dessas pessoas ja nao o faziam, porque mais vale nao ter dinheiro mas ter saúde.

Rui Branco 10ºC Nº27

P.S. Peço desculpa por algumas faltas de acento é que a computador esqueco-me.

Bruno Cardoso disse...

Na minha opinião, a pena de morte é moralmente incorrecta e deveria ser punida em todos os países. A vida é um direito, como está explicito na declaração Universal dos Direitos Humanos, deste modo, a pena de morte vai contra esses direitos. Ninguém tem o direito de tirar a vida a alguém, mesmo que essa pessoa tenha cometido o maior crime. É claro que se as vitimas se tratassem dos nossos familiares ou amigos seriamos a favor no primeiro momento, mas não podemos levar isso por esse lado. Existem alternativas, como a pena perpétua em que o criminoso ficará a sofrer o resto da sua vida detrás das grades, sendo privado da sua liberdade.

Bruno Cardoso
10ºA

Anónimo disse...

Sou contra a pena de morte é verdade que todos os dias, prisioneiros – homens, mulheres e crianças enfrentam a execução, independentemente do crime que tenham cometido, sejam culpados ou inocentes. Na minha opinião, a pena de morte deve ser abolida em todos os casos sem excepções.
Como já aprendemos, ela viola o direito à vida assegurado pela Declaração Universal dos
Direitos Humanos.
É o castigo mais cruel, desumano e degradante deste mundo,é um ato de violência irreversível, praticado pelo estado, é incompatível com as normas de comportamento civilizado, é discriminatória e muitas vezes usada de forma desproporcionada contra os pobres.Também pode ser uma arma politica uma forma de calar para sempre os adversários políticos. Em muitos destes casos, as vítimas são condenadas à morte após julgamentos injustos, a pena de morte pode garantir que os condenados não repetirão os crimes que os levaram à execução, mas, ao contrário das penas de prisão, a pena de morte tem como risco o fato de os erros judiciais não poderem nunca ser corrigidos. Resumindo acho que a pena de morte devia ser totalmente punida neste mundo onde so existem injustiças e tudo um pouco mais.

Beatriz Saavedra
10ºA

Anónimo disse...

Na minha opinião a pena de morte deveria ser punida. Acho que a pena de morte é uma forma errada de agir contra o crime, seja qual for ele, sejam quais forem as suas consequencias. Tanto para o criminoso como para o que sofreu do crime em questão. A meu ver a forma mais racional de lidar com quaisquer tipo de crimes é a TURTURA. Isto é, em vez de simplismente se matar, fazer com que o criminoso repense naquilo que fez, quem fez sofrer e fazê-lo sofrer de forma igual de modo a que o mesmo consiga sentir o que o ofendido sentiu mas nunca dezprezando que toda a pessoa tem direito a uma segunda oportunidade, pois embora o criminoso sofra na pele o delito que cometeu tem sempre a opção de começar de novo, isto é, de recomeçar uma vida nova escolhendo que caminho quer seguir, se quer voltar á vida de criminoso ou de uma pessoa normal. Assim não temos de tirar a vida a alguém, de estragar a vida de alguem mas sim fazemos com que esse alguem aprenda a viver em comunidade.
Esta é a minha opinião, beijo ;)
Rafaela Vera 10ºD nº23

Bruno Cardoso disse...

Não concordo plenamente com o Rui porque vejemos uma coisa. Por um lado está correcto em dizer que "dá" mais segurança ás pessoas, visto que é "eliminado" uma ameaça para a sociedade mas por outro se tivermos a aplicar a pena de morte, secalhar estaremos a fazer um crime ainda maior que o criminoso. Matar não é a única solução. Se uma pessoa matou alguém não vamos estar a matar essa pessoa porque estaremos a "descer ao nivel" do criminoso. E por outro, também como é referido na opiniao do Rui, em que, muitas vezes os inocentes são executados e isso, claro, é horrível.

Bruno Cardoso 10ºA

Anónimo disse...

Rafela, dizes que a melhor solução é fazer com o criminoso sofra de igual forma de que fez sofrer, mas e se o criminoso matar?
Como vao conseguir faze-lo sofrer isso sem o matar?
Nao ha maneira de o fazer sem ser executa-lo.
Na Turtura concordo em partes contigo, mas quem garante que o criminoso nao volte a fazer um crime?
Nunca ouviste dizer "É melhor cortar o mal pela raiz", é isso que quero dizer.

Rui Branco 10ºC

Anónimo disse...

Pena de morte? Torturas? Porquê tanta violência? Não conseguiremos mudar a sociedade e a criminalidade sem recorrer aos mesmos métodos que os criminosos? Infelizmente parece que não. Imaginem que um familiar ou amigo vosso estava a passear num local pouco iluminado, à noite e que o assaltavam. Para se defender ele esmurrou o assaltante que por acidente bateu com a cabeça no chão, e acabou por morrer. Algum tempo depois descobre-se que foi o vosso familiar/amigo que matou o assaltante e não há maneira de se provar que foi para defesa pessoal. O juiz declara pena de morte (vamos admitir que estamos num país onde é legal). O que sentiriam vocês se o vosso familiar fosse executado por ter cometido um crime mas apenas para sua defesa pessoal, por apenas estar no lugar errado à hora errada?
Imaginem agora o contrário. Imaginem que o vosso familiar estava a passear, mas que o assaltante o matava. Não quereriam vocês que ele sofresse o mesmo que fez sofrer o vosso familiar? Uma coisa que considero muito triste é ter-mos de recorrer à violência para castigar ou “educar” os criminosos. E uma ainda mais triste é a sociedade actual ser tão violenta e não haver cooperação, amizade e solidariedade. Assim a minha opinião é que a pena de morte não é necessária, ou não deveria ser, para ter-mos uma sociedade saudável com baixa taxa de criminalidade.

Ana Rita nº7 10ºC

Anónimo disse...

Não concordo com a Rafaela pois a tortura também viola um dos direitos expressos na Declação Universal dos Direitos Humanos, que é o Direito à Segurança Pessoal. Além disso penso que com este método os criminosos poderiam ficar ainda mais violentos do que antes já eram. Logo não seria uma opção acertada, visto que estariamos a violar um dos direitos humanos sem resultado.
Ana Rita nº7 10ºC

Bruno Cardoso disse...

Não concordo com a Rafaela num aspecto que ela refere no seu comentário, ácerca da forma mais racional de lidar com os criminosos, a tortura. A tortura é um tratamento desumano, como é referido na Declaração dos direitos humanos. Deste modo, como o Rui e Ana do 10 ºC já referiram nos seus comentários, a tortua viola os direitos humanos. Direitos esse que são aplicadas a todos os humanos. Não seria lógica aplicar um castigo desse, visto que, o criminoso, supostamente, é um humano. Mesmo que o criminoso tenha feito o crime mais bizarro de sempre não deviamos torturá-la mas sim, arranjar um castigo "cruel" que não viole os direitos humanos.

Bruno Cardoso
10ºA

Anónimo disse...

Na minha opinião, a pena de morte deveria ser abolida em todo o mundo. Viola o artigo nº3 da Declaração Universal dos Direitos Humanos - todo o ser humano tem direito à vida.
Já foi dito aqui pelo Rui Branco que quem tira a vida a alguém, não merece a sua. Eu pessoalmente estou bastante hesitante quanto a esse assunto, mas de uma coisa tenho a certeza: se alguém não merece a vida, não somos nós que temos o direito de a tirar. Concordo plenamente com o Bruno Cardoso quando diz que matar quem mata, é descer ao seu nível.
Concordo com tudo o que a Beatriz Saavedra disse. A pena de morte pode de facto ser usada como uma arma política para calar elementos da oposição, e todos temos (ou deveríamos ter) direito à liberdade de expressão. Depois existe o grande problema: a execução de inocentes. Imaginem a frustração e a revolta que alguém pode sentir quando é condenado à morte injustamente. Simplesmente não é correto.
Existem as tais alternativas como a prisão perpétua, que para mim me parece a mais indicada nos casos extremos, embora o Estado possa perder muito dinheiro na "manutenção" da vida dos indivíduos presos. Foi aqui referida pela Rafaela Vera que a tortura pode ser uma boa alternativa. A Ana Rita argumentou bem contra esta ideia, dizendo que viola o direito à segurança pessoal, e disse outra coisa muito importante: torturar alguém apenas lhe aumentava a raiva e as suas acções passariam a ser muito piores. Considero portanto que a ideia da tortura é um autêntico disparate!
Para terminar, tenho algumas coisas a dizer acerca do comentário do Rui Branco. Talvez possa baixar o nº de homicídios com a legalização da pena de morte, mas se considerarmos que muitos deles são cometidos por psicopatas que nunca teriam em consideração a existência ou não existência da pena de morte, chegaríamos à conclusão que afinal pode até não fazer tanta diferença. Concordo quando diz que quem desrespeita os direitos humanos deve ser punido, mas há outras maneiras como já referi anteriormente. Depois quando diz que diminui a taxa de mortalidade, é verdade que se evitam homicídios, mas também se matam pessoas (condenados), afinal isso é a pena de morte. E tendo ainda em conta que são condenados alguns inocentes, isso ainda contradiz mais esse argumento. Finalmente, a pena de morte não torna os países muito mais seguros, quando passa a haver o risco de alguém ser acusado, condenado e executado injustamente.
Bem, essa é a minha opinião. Desculpe professor se o comentário é muito grande, mas tentei referir o máximo de coisas que se podiam dizer acerca deste assunto e também argumentar contra ideias aqui referidas que considero erradas.

Carlos Fonseca Nº7 10ºA

Anónimo disse...

Eu sou a favor da pena de morte, pois quem é sujeito a ela é porque cometeu algum crime grave. Eu sei que por vezes são cometidos erros na execução da pena, como por exemplo aplicarem a pena de morte a um inocente, por isso é que antes de aplicarem a pena de morte devem ter a certeza de quem é o culpado e claro a pena de morte só deve ser executada em casos excepcionais, como por exemplo os terroristas, os psicopatas (que matam pessoas em massa) e as pessoas que torturam as outras.
E é esta a minha opinião.

Catarina Duarte
nº6/10ºB

Anónimo disse...

Carlos, dizes que a pena de morte nao torna os países mais seguros?
Entao vê este exemplo:
Quando tas na aula de Filosofia e tas a fazer barulho, o professor ameaça-te dizendo "Fazes barulho vais para a rua", tu ao ouvires isso paras com o barulho, porque? Porque te sentes ameaçado, sabes que se fizeres barulho sais.
É igual na pena de morte as pessoas sente-se ameaçadas e param com os crimes, até nao haver crimes, ao nao haver crimes, nao sao executados inocentes.
E sobre a taxa mortalidade, compara la as pessoas que um criminoso e psicopata mata, com mata-lo. Ao matares o criminoso matas 1 pessoa, enquanto ele ao tar vivo pode matar muitas mais, tal e qual aos psicopatas.

Rui Branco 10ºC

Anónimo disse...

Rui, tens toda a razão no exemplo que deste, mas numa sala de aula, os alunos são todos "normais" e não psicopatas. Eu concordo que a pena de morte pode ajudar a baixar o nº de homicídios, apenas disse que sendo uma boa parte deles cometidas por psicopatas que não têm em conta a existência ou não da pena de morte, esse argumento poderá não ser assim tão significativo. E crimes vão sempre existir, o ser humano não é perfeito, por isso existindo a pena de morte, haverão sempre inocentes executados. E é óbvio que a taxa de mortalidade baixa, o que eu apenas quis dizer foi que também morrem pessoas com a pena de morte, o que pode contrabalançar as vidas que eventualmente se podem salvar com a legalização da pena de morte.
Sobre estes dois assuntos, eu não te estava a contrariar totalmente, apenas tentei mostrar que podem não ser assim tão significativos quanto isso.

Carlos Fonseca Nº7 10ºA

Anónimo disse...

Concordo com o Bruno Cardoso porque o direito à vida existe e deve ser respeitado. Não é por alguém matar com ou sem razão que eu o vou fazer porque existem milhões de outras maneiras de punir as pessoas. Aliás, eu penso que é melhor se a pessoa ficar viva e "exposta" pelos seus actos (quando digo "exposta" quero dizer que toda a genta fica a saber que cometeu um delito) porque assim fica constrangida (não encontrei a palavra certa para descrever a sensação) e consequentemente poderá vir a arrepender-se de ter tirado a vida de outra pessoa e, como está viva, terá a oportunidade de se redimir. Defendo que os governos que aceitaram respeitar a Declaração Universal dos Direitos do Homem e que legalizaram a pena de morte deveriam ser punidos porque obviamente não estam a respeitar a declaração e um direito fundamental.
Queria só chamar a atenção ao Rui do 10º C que defende a pena de morte que como já disse desrrespeita um direito do Homem e, depois, diz que todas as pessoas têm os mesmos direitos, ou seja, está a contradizer-se. Nós, quando julgamos alguém que fez algo de errado, devemos puni-lo de maneira a não passar por cima dos seus direitos porque assim poderemos mostrar que o que essa pessoa fez está errado.

Daniela Rodrigues 10º A nº12

Anónimo disse...

Na minha opinião em certas circunstâncias a pena de morte é um ato moralmente justificável. De facto, um dos direitos humanos é o direito à vida. Contudo, num homicídio, o homicida não tem em conta o facto e todos termos direito à vida. Neste caso acho que deve ser utilizada a justiça retributiva, ou seja deve ser aplicada a pena de morte. Na minha opinião quem tira a vida a pessoas inocentes e que não fizeram qualquer mal não devem usufruir do direito de viver.
O meu ponto de vista pode ser refutado dizendo-se que a pessoa que cometeu o crime pode ser presa, pois enquanto estiver presa terá tempo suficiente para se arrepender de todo o mal que fez e certamente não irá matar mais ninguém.
Porém o que se tem vindo a verificar é que muitas pessoas quando abandonam a cadeia continuam a matar pessoas. Um serial killer normalmente é um pessoa que possui um distúrbio mental, mesmo que uma pessoa assim seja presa quando for posta em liberdade continuará a matar pessoas inocentes, pois este é um dos impulsos que tem e sente-se feliz e "completo" quando mata alguém, matar proporciona-lhe bem estar e prazer.
Em caso de pedofilia e violação as pessoas que praticam estes atos horrendo também deviam ser sujeitas à pena de morte. Apesar da pedofilia e violação não tirar a vida uma pessoa diretamente, fá-lo indiretamente. As vitimas deste tipo de crime na maioria dos casos ficam "marcadas" para sempre. Têm medo da possibilidade de voltarem a encontrar o criminoso, apresentam dificuldades em estabelecer relações com outras pessoas, ficam psicologicamente transtornadas. A nível fisico os danos, em certos casos, são menos evidentes ainda assim podem existir. Como por exemplo a contração de doenças sexualmente transmissíveis, como SIDA, entre outras. Perante todos estes aspectos parece-me bastante plausível que estes sejam mais dois casos em que a pena de morte deva ser aplicada.

Tatiana Valente, 11ºC

Anónimo disse...

Eu concordo com a pena de morte, mesmo que esteja expresso nos Direitos Humanos que é incorrecto matar, mas acho que esta mesmo devia ser só aplicada em certas circunstâncias,como os exemplos que o Rui Branco deu.
As pessoas que normalmente estão sujeitas a pena de morte é por algum motivo.
Ao tornarem esta lei legal iria haver uma diminuição de crimes pois essas as pessoas não querem estar sujeitas a esse tipo pena, penso eu porque muitos desses psicopatas matam pessoas em grande massa e depois logo a seguir matam-se.
Raquel Duarte Nº19 /10B

Diogo Gil 10ºB disse...

Eu acho que a pena de morte devia ser aplicada em algumas situações, mas com completa certeza de que seja aplicada no criminoso e não num inocente. A pena de morte, pode fazer com que os criminosos pensem 2 vezes antes de cometerem o crime, e isso talvez nos proteja, e também, depois de fazerem uma vez, não teriam oportunidade de fazer de novo.

Bruno Cardoso disse...

Não concordo com a Raquel Duarte porque retirar a vida ao assassino não vai reparar os "danos" cometidos, nem vai aliviar a dor a ninguém, mas fazer mais pessoas sofrerem porque, supostamente, esse homem também terá familia e pessoas que o amem. A melhor maneira era sofrer na prisão e deste modo estaria a sofrer muito mais se estivesse morto. Desde modo, nao concordo com o que ela disse porque em nenhum caso deveria ser aplicada a pena de morte. Concordo plenamente do comentário da Daniela porque devemos punir o criminoso de maneira a não passar por cima dos seus direitos.

Bruno Cardoso 10ºA

Anónimo disse...

Concordo com o Bruno. Vocês acham mesmo que um assassino ou um psicopata se importa de morrer? Um castigo como a prisão perpétua seria muito mais adequado, e claro que matar um criminoso não trás a pessoa que ele matou de volta. Para quê mais morte? Prendê-lo é a melhor forma.

Carlos Fonseca Nº7 10ºA

Anónimo disse...

Têm estado a dizer que se aplicarmos a pena de morte a um criminoso estamos a não cumprir os direitos humanos. Então e esse criminosso não passou por cima dos direitos de alguém? Se ele matou uma pessoa ou a torturou também não cumpriu o combinado na Declaração universal dos Direitos Humanos.

Ana Rita 10ºC

Anónimo disse...

Bruno, imagina que o teu pai é um assassino e tu tens uma mulher e filhos. Imaginemos que o teu pai mata a tua mulher e os teus filhos, o que é que querias que o fizessem? Que o prendessem? Com risco de contruires outra familia e ele destrui-la?
É dificil saber que exucutaram um familiar nosso mas epa se ele mercer e se for o melhor para a sociedade se calhar ate irias sentir a consciencia mais tranquila, em vez de odio e vergonha por ele.

Rui Branco 10ºC

Miguel Cunha 10ºB disse...

Serei franco perante esta questão Filosófica, a pena de morte não é moralmente correcta , simplesmente a meu ver não queria justiça perante os familiares, e muito menos há nação onde foi cometido o delito ou delitos dependendo os casos. A Pena de Morte vai contra o Direito Humano, que todos os Seres Vivos tem direito a viver ,para mim é como um susto aos grandes assassinos, como prova disso, os crimes mantêm-se e cada vez menos vezes os ditos criminosos são condenados como tal.. concordo sim com uma pena de morte a longo de prazo, com isto quero dizer que esses Terroristas e " Serial Killer" fossem mortos mas sofrendo a longo prazo, e não chegando num só momento e tirando-lhes a vida num abrir e fechar de olhos, o que ganhariam com isso ?, sim morreram, mas onde existe a dita justiça ? não é existente , por isso tal como disse a minha cara colega " Rafaela Vera do 10ºD " a melhor maneira de fazer justiça era Torturando os assassinos e fazerem eles passarem por todo o mal que cometeram.

Emanuel Noivo disse...

Eu sou a favor da pena de morte mas acho que para além disso também deveria existir a tortura. Hoje em dia muitas pessoas cometem crimes e saem impunes; outras passados uns anos ou meses mais tarde saem da prisão e ainda existem outras que vão para a prisão só porque já não têm nada a perder e lá têm comida e uma cama para dormir.
Para além disto, acho que quem comete um crime, como está a violar os direitos humanos, deve perder os seus direitos.
A criminalidade aumenta todos os anos e na minha opinião isto acontece porque muitas pessoas que cometem crimes pensam que a prisão não é assim tão má ( afinal têm tudo o que precisam para viver lá).
Se existisse a pena de morte ou a tortura em mais países, de certeza que a criminalidade baixava, pois todos pensavam duas vezes antes de cometer algum crime.
É claro que não se puniam todos os crimes de igual modo. Apenas os crimes mais graves deviam ser punidos com a pena de morte ou tortura. Se ficásse provado que haviam razões válidas para cometer o crime, como auto-defesa, um acidente ou um roubo de medicamentos para ajudar algúem, acho que o criminoso não deveria se tão severamente punido como as que cometem crimes mais graves.

Emanuel Noivo nº10 10ºB

Anónimo disse...

Ana Rita, é óbvio que o criminoso não cumpriu a Declaração dos Direitos Humanos, mas não devia ser tudo "olho por olho, dente por dente". Se fosse sempre assim o mundo estava todo maluco. O facto de ele ter feito mal não quer dizer que nós tenhamos de o fazer também, não devemos descer ao nível dele. Cada um de nós deve fazer o máximo de Bem possível. Para evitar mais mortes por causa de um criminoso basta prendê-lo, nem que seja a vida toda, mas não estamos a cometer o mesmo crime que ele cometeu, o crime de matar. Na minha opinião matar é sempre errado, a não ser que seja em legítima defesa, mas isso já é outra história... XD

Carlos Fonseca Nº7 10ºA

Anónimo disse...

Discordo com o Carlos do 10ºA pois penso que um criminoso tem mais medo da morte do que da prisão, pelo menos eu teria se estivesse no lugar dele. E muitas vezes voltam a sair cá para fora e cometer crimes ainda piores. Além disso as despesas que os criminosos fazem ao estar na cadeia é o Estado que as paga, ou seja todos nós ao pagar-mos os impostos (que têm estado a aumentar cada vez mais) estamos a pagar refeições, cama e roupa para pessoas que cometem crimes imperdoáveis e horríveis. Quer dizer eles comotem os crimes, matam pessoas e nós temos de lhes pagar comida em quanto eles estão no "hotel" (cadeia) sem fazer praticamente nada. Têm cama comida, roupa lavada e cometeram crimes horríveis, enquanto que existem pessoas cá fora com piores condições de vida e não fizeram mal a ninguém. É injusto não?

Ana Rita 10ºC

marquezz69 disse...

Na minha opinião a pena de morte não deveria ser aceitável em qualquer parte do mundo, é completamente inaceitável que alguém pense em tirar a vida a alguém. O dom da vida é algo que ninguém devia tirar a ninguém.
Todos erramos, alguns mais que outros e uns cometem erros maiores que outros.
Querem fazer alguma coisa a um criminoso mundial e fazerem no pagar pelo que fez? então porque mata-lo enquanto podem deixa-lo a "apodrecer" na cadeia com prisão perpetua? mais tarde se essa pessoa eventualmente se mostrar arrependida dar lhe uma 2º chance porque todos merecemos uma.
Diogo Marques nº7 11ºC

Anónimo disse...

Na minha opinião, a pena de morte é correta e devia ser aplicada em todos os Estados. Um indivíduo que mate, torture ou viole repetidamente e vezes sem conta, não devia continuar vivo. Não defendo que seja aplicada a qualquer crime, mas deve-lo ser a todos os crimes mais graves.
Penso que a aplicação da pena de morte desincentiva criminalidade, fará os criminosos pensarem duas vezes antes de matarem, como já aqui foi referido. E não só defendo a pena de morte, como também defendo a execução pública para os crimes mais graves, para situações extremas, o que servirá de exemplo para todos os cidadãos.
Claro que defendo que a pena de morte apenas deve ser aplicada em casos extremos, e quando não houver dúvidas sobre a culpabilidade do réu, de modo a que não sejam cometidos erros. Além disso, a pena de morte apenas deve ser aplicada por tribunais imparciais, e após julgamentos justos.
Não posso deixar de discordar daqueles que aqui dizem que a pena de morte está errada pois viola os Direitos Humanos. Será que alguém que violou grave e/ou repetidamente os direitos das outras pessoas, deve continuar a ter os mesmos direitos?
Por fim, tenho de concordar com o Rui, quando ele diz que é "preciso cortar o mal pela raiz". E tal só acontece com a pena de morte. Ninguém me convence que os criminosos vão repensar os seus atos. Eles continuaram a ser assassinos e continuaram a matar. Por isso é necessário eliminá-los.

Lucas Sá, 10A

Anónimo disse...

Não concordo com o Bruno num ponto, porque à quem sinta(por exemplo, os familiares da vítima) que se uma pessoa matou outra, essa pessoa devia ser punida com a mesma sentença.
No entanto concordo no ponto em que diz que a pena de prisão perpétua é uma sentença mais adequada.

Anónimo disse...

o comentário anterior foi escrito por
Guilherme Martins 10ºB

Bruno Cardoso disse...

Rui, acima de tudo é meu pai, e isso e muito importante a reter mesmo que tenha morto a minha mulher e os meus filhos. Depois, pensemos no seguinte modo: Se acontecesse o que disseste, claro que eu não gostava de matar o meu pai, ja chegava a morte da minha familia. (Talvez nao pensasse no que ia fazer ao criminoso porque o crime já estava feito.) Deste modo, a opção correcta era a prisão perpétua que por sua vez era impossível que voltasse a cometer o mesmo crime porque nunca mais saía da prisão. Secalhar, se fosse aplicada a pena de morte ao meu pai, eu ficava com um trauma (não ficava bem comigo) porque acima de tudo ele é o meu pai, um dos meus progenitores. Se mais tarde me arrependesse não poderia voltar atrás. A pena perpétua é um castigo suficiente para o criminoso, possibilitando a sua recuperação.

Bruno Cardoso 10ºA

Anónimo disse...

O problema filosófico em que se insere a minha opinião é se a pena de morte é moralmente correcto ou incorreto.
Na minha opinião não existem situações que justifiquem a pena de morte. Nenhum ser humano tem o direitode tirar a vida a outro ser humano.
No entanto, existem certos situações que quase irracionalmente nos levem a desejar a pena de morte para certos individuos que tiram a vida a outros ou que maltratam crianças.
Os pedófilos causam-me revolta mas existem outros maneiras de punir essas mesmas pessoas. Se aceitarmos a pena de morte também estamos a errar.

André Pedro, 11ºC

Ioan Flavius xD disse...

Eu sou o Flávius ;)
Irei exprimir-me por breves proposições. Frases simples, para ser fácil de ler.

Acho , na minha opinião que a pena de morta é injusta, pois podemos dizer que invade o direito nº3.

Podemos estar numa situação de incerteza, e condenar um inocente à morte beneficiando os criminosos.

Se condenar-mos uma pessoa, "criminosa" , então nós também não somos justos, pois se " O CRIMINOSO MATOU ALGUÉM E FOI CONDENADO À MORTE, AQUELE QUE MATA O CRIMINOSO TAMBÉM DEVERÁ SER CONDENADO À MORTE, E ASSIM, SUPOSTAMENTE A HUMANIDADE ACABAVA "FILOSOFICAMENTE".Se usamos a pena de morte não fazemos mais nada do que descer ao nível dos criminosos.

Vamos levar este item, para as extremidades do tempo. Antigamente, haviam hominídeos, que se matavam entre eles para comida (Não havia pena de morte) , depois surgiu a comunicação , que fez como este processo de "manipulação." se elimine em alguns casos(Não havia pena de morte). Agora, presente as pessoas já mandam umas nas outras, condenam-nas, matam-nas (Existe pena de morte).

Este é de facto o factor que me impressiona mais, pois antigamente não haviam direitos e não havia pena de morte e hoje em dia há direitos e apareceu logo a pena de morte para contradizer com os direitos, então, para que servem os direitos se todos os infringir-mos?

Concordo com o que o Carlos disse no seu "Testamento" (que levei uma hora a ler xD ) que diz especialmente tudo o que eu estive a dizer. Eu não irei comentar mais nenhum comentário além o do Carlos , pois acho que , como o Carlos comentou muitos comentários, se eu comentar o dele, estou a comentar os dos outros também.

Eu também escrevi um testamento, prazer em ler Professor :)

Bruno Cardoso disse...

Miguel Cunha, achei o comentário bom e basicamente é o que eu penso, a excepção de uma coisa muito grave. Tu referes que a pena de morte vai contra a declaração dos direitos humanos mas é engracado porque tu referes esse aspecto mas na tua opiniao o correcto era a tortura. Mas nunca pensaste que a tortura também viola a declaracao dos direitos humanos (5 º artigo).

Bruno Cardoso 10ºA

Anónimo disse...

Ana Rita, mas tu és uma pessoa normal, enquanto que um assassino ou psicopata não pensa da mesma maneira. Se muitos deles quando são apanhados se suicidam, achas que eles preferem a prisão? Para qualquer pessoa normal talvez passar a vida na cadeia fosse menos mau do que ser executado, mas um criminoso desse tipo prefere sem dúvida a morte. Quanto à despesa que o Estado tem com as penas perpétuas, concordo contigo, é de facto um argumento que tenho de ter em conta mesmo defendendo a abolição da pena de morte. Mas é como todos os problemas filosóficos, todos têm prós e contras, e neste caso considero que os argumentos que já utilizei e outros que o Bruno Cardoso usou são mais plausíveis. Isto é a Filosofia, já o professor Carlos Pires dizia, os problemas filosóficos não são consensuais...

Anónimo disse...

E concordo plenamente com o André Pedro do 11ºC.

Carlos Fonseca Nº7 10ºA

Anónimo disse...

Não concordo com todos os comentários que defendem que o castigo mais aceitável seria a tortura, pois para além de infrigir um dos direitos do homem não nos assegura que o criminoso pára de cometer crimes. Em relação àqueles que defendem a pena de morte antecedida de tortura também não concordo totalmente, pois uns minutos depois o criminoso já iria estar morto, então porquê perdermos tempo com ele? Ele nem isso merece. E assim asseguramos que toda a humanidade esteja segura e a salvo de pessoas que cometem repetidamente os mesmos crimes.
Ana Rita 10ºC

Ana Patrícia disse...

Eu sou a favor da pena de morte e penso que deveria de haver essa lei em mais sítios no mundo.
Se um homem, por exemplo, matou milhares de pessoas, só porque sim, só porque lhe apeteceu e resolveu que naquele dia deveria matar aquelas pessoas, acho que essa pessoa deveria ser punida seriamente e deveria ser condenada à morte e ter o mesmo fim que as outras pessoas tiveram e há uma diferença: as pessoas que essa homem matou são apenas pessoas inocentes que não fizeram mal nenhum nem a ninguém e ele é um assassino que devia pagar pelo que fez a esses inocentes, por isso acho a pena de morte é moralmente aceitável e devia ser aplicada em mais cidades e estados no Mundo.

Mário Reis disse...

Eu sou a favor da pena de morte, porque alguém que mate ou torture outras pessoas, devia ser punido, não apena com prisão.
Matar essa pessoa que matou ou torturou não vai trazer felicidade à familia da vitima, mas se o assassino for para a prisão vai acabar por sair, e matar mais pessoas.

Mário Reis Nº15, 10ºB

Anónimo disse...

Li todos os comentarios feitos pelos alunos nesta actividade e discordo totalmente de certas pessoas como é o caso do meu colega Rui Branco e Rafaela. Ao se exercer a pena de morte nalguem esta-se automaticamente a violar um dos direitos humanos expressos na Declação Universal dos Direitos Humanos. Defendo a ideia que, praticar a pena de morte nao é moralmente corecto pois para alguns "psicopatas" a morte nao é um castigo mas sim uma forma de se "livrar" da vida. Logo a pena de morte nao leva muito tempo a ser exercida e o individo que esta a cer condenado à pena capital só sentira dor num determinado tempo enquanto mas se for presso para o resto da vida perceberá que fez um erro e reflete sobre o mesmo, mesmo que nunca mais será libertado. Mas temos em conta as pessoas que teem doenças pscicologicas e que nao teem noçao daquilo que fazem, acham que merece a pena de morte por um ato que fez e nao tem consciencia? E quem decide se a um certo individo que cometeu um crime devera ser exercida a pena de morte ou nao? Como temos a certeza( se a pena capital for legalizada) se tamos a condenar a pessoa que praticou um ato incorreto? nunca temos 100% a certeza ( só em alguns casos em que as provas sao indiscutiveis) e há ainda hoje em dia pessoas a ser condenadas inocentes. Mas caso a pena de morte continua a ser ilegal em alguns paises temos a ipotse de corrigir o erro cometido pelos juizes ao "mandar" um inocente para a prisao.
Existe tambem argumentos em defesa como por exemplo:
Quem paga as despesas causadas pelos "prisioneiros"? mas na minha opiniao os argumentos contra a pena de morte sao de maior valor do que aqueles que sao para a pena de morte.
Tambem nao concordo com a existencia da tortura como ja alguns alunos referiram. Porque? Porque tambem ao legalizarmos esse ato estamos a violar um direito Humano. E tambem aqui questionamos quem decide se devera ser exercida a pena de morte ou a tortura?
Rafael Dahmen 10C Nº24

Anónimo disse...

Eu li todas as vossas opiniões e entendi as suas justificações, a favor e contra a pena de morte, mas além de tudo, estamos a referir argumentos acerca de cada ponto de vista que cada um possuí.
Mas para chegar a uma conclusão devemos utilizar uma espécie de uma "balança" metaforicamente claro, para nos ajudar a compreender, qual dos pontos de vista nos parece melhor sobre o assunto.
Na minha opinião eu sou contra a pena de morte mas para mim justifica-se em certas circunstâncias, no caso de certos psicopatas que não se consegue tirar a ideia que, matar é errado, ou que fazer "chantagens" que fazem como por exemplo, rebento uma bomba se não me derem 1000 euros ou algo do género,
é contra a Declaração universal dos Direitos Humanos.
Nestes casos a pena de morte é, na maioria das pessoas, o mais correcto, mas só quando se têm a certeza que a vitima em causa é, sem quaisquer dúvidas, o
responsável pelo o crime.

Muitas pessoas acreditam que, deveria haver a pena de morte, e justificam esta decisão com justificações bastante persuadíveis como por exemplo, se um individuo MATA 50 PESSOAS,
E FICA COM PRISÃO PERPÉTUA, VAI PARA UM HOTEL VITALÍCIO DE 2 ESTRELAS, ONDE NADA LHE FALTA (Desta maneira é chocante mas é verdade.)
Isto leva a que o os custos públicos aumentem, porque quem está a pagar para que o criminoso esteja na prisão SOMOS NÓS. E se matasse estes criminosos, haveria mais segurança na sociedade, diminuía os custos públicos, inibe os futuros criminosos
ou, pelo menos, ficam com a noção que se matarem alguém, poderão sofrer a morte.

Mas como eu e como muita gente, sou contra a pena de morte, porque não faz nenhum sentido matar uma pessoa, por ter matado outra! Temos que descer tão baixo, até ao nível dos criminosos?
OLHO POR OLHO, DENTE POR DENTE? TODA A GENTE TEM DIREITO HÁ VIDA,DIREITO não podemos esquecer que podemos estar a destruir famílias inteiras e que sofrem bastante.
Aliás, como o Carlos Fonseca do 10ºA diz:"O humano não é perfeito!" e tem toda a razão! Qualquer pessoa tem direito a uma segunda hipótese de conseguir mudar de atitude e o seu comportamento e voltar ter direito há liberdade,como uma pessoa normal outra vez.
Não houve a pena de morte antes de haver os direitos humanos.Agora que existe os direitos humanos, não será agora que irá haver.

Leonardo Louro Nº18 10ºA

Gonçalo Raminhos disse...

Eu sou a favor da pena de morte.
Penso que mais países deveriam aderir a este tipo de punição, pois se uma pessoa tira a vida a outra, ela também deve morrer, pois não tem o direito de matá-la. Como as pessoas dizem, "Olho por olho, dente por dente". Mas essa punição só deveria ser imposta no caso de esses delitos forem homiçídios. Mesmo em locais em que a pena de morte é permitida, como no estado do Texas, o número de homiçídios na para de aumentar. Talvez porque a pena de morte é indolor, ou seja, no ato da morte é injetado ao criminoso um líquido que abranda a circulação sanguínea, acabando por pará-la. Como é indolor, os criminosos não se importam de morrer, pois não sentem dor. Logo, a pena de morte deveria ser complementada com tortura, diminuíndo os homicídios, pois os criminosos sabem que vão morrer e sentir dor.

Gonçalo Raminhos 10ºB 17/11/11

Anónimo disse...

Para responder á questão da moralidade da pena de morte, em primeiro lugar gostaria de colocar uma questão: matar é errado? Suponho que todos irão responder "sim". Como tal, não entendo como alguém pode achar a pena de morte uma punição aceitável. Claro, um indivíduo ao matar outro (ou outros) está a violar o direito á vida (expresso claramente na Declaração Universal dos Direitos Humanos) do(s) agredido(s), mas, por outro lado, o estado (ou tribunal) ao declarar a sentença de morte, não está a ter uma atitude melhor que o assassino. Assim, outra questão que coloco é: o estado tem mais direitos que os simples cidadãos? Suponho que a resposta é não, porque o estado É composto por simples cidadãos. Então, para aquelas pessoas que defendem a pena de morte, respondam-me: como é possível acharem aceitável o estado condenar alguém á morte (matar alguém) sem sofrer a mesma punição que uma pessoa que matou outra? Gostariam de sentir que o estado tem o poder de decidir se têm o direito de viver ou não? Porque a verdade é que os tribunais nem sempre decidem o mais justo possível: muitas vezes, um culpado que tem dinheiro ou influência sai sem ser "castigado". Imaginem um polícia a matar alguém (por exemplo, tinha consigo uma arma e, num momento em que se sentiu poderoso com essa arma, dá um tiro na pessoa que se encontra mais perto). Será que o estado vai condenar uma polícia à morte? Imaginem, seria um escândalo: as pessoas voltariam a confiar nos polícias? Reinaria o pânico, se as pessoas nem pudessem confiar nos indivíduos que supostamente estão presentes para a protecção dos cidadãos. Provavelmente o estado limitava-se a simplesmente "varrer o acontecido para baixo do tapete" por assim dizer, sem condenar o polícia. Isto seria justo? Não. O ser humano não é um ser imparcial por natureza e é facilmente influenciável: quem nos garante que a sentença tenha sido feita imparcialmente? Ninguém.
Um outro exemplo que eu gostaria de apresentar é o seguinte: imagine-se que o seu pai agredia constantemente a sua mãe e a si. Um dia, num acto de agressão a si, a sua mãe decide intervir e bate com uma cadeira na cabeça do pai, matando-o. Agora imagine que no seu país a pena de morte seja legal: provavelmente a sua mãe irá ser condenada, por não se poder provar que o ato cometido foi por defesa pessoal (seria considerado homicídio). Assim, pode-se considerar a sua mãe uma pessoa inocente, mas condenada á morte. Ou outra situação: a sua mãe mata o seu pai, num acto de loucura ou por ter bebido uns copos a mais. Já não seria suficientemente mau perder o seu pai? Continua a defender que a sua mãe merecia morrer? Se defende a pena de morte, defende que a sua mãe, uma pessoa que sempre o tratou bem e que daria a sua vida por si, devia ser condenada á morte.
Como conclusão, gostava de resumir que sou completamente contra a pena de morte por considerar essa pena um acto moralmente incorrecto, desumano e irracional.

Alina Dahmen, 11ºC

Anónimo disse...

Gonçalo, tens razão que no Texas existe pena de morte e os homicidios aumentam, mas há uma coisa que não deves saber, é que uma pessoa que cometa um crime que "dê" pena de morte, se essa pessoa depois for para outro estado, e esse estado nao tiver pena de morte, essa pessoa ja não será condenada a pena de morte, mas sim ao que for decidido nesse estado.
Por isso é que deve ser aplicada a pena de morte em todos os estados para nao haver cenas destas, do tipo "mata e foge".

Rui Branco 10ºC

Anónimo disse...

Eu sou a favor da Pena de Morte, em certas situações, porque por vezes a pena de morte é aplicada injustamente, mas em alguns casos a pena de morte deveria ser obrigatoriamente aplicada, por exemplo quando um individuo,que passa a ser um criminoso, mata uma ou mais pessoas. Mas cada caso é um caso, mas em certas situações a pena de morte deveria ser aplicada sempre.

Beatriz, Nº4 10ºB

Anónimo disse...

Sou contra a pena de morte. Na minha opinião por nenhuma razão no mundo podemos condenar alguém à morte. Independentemente do seu crime ou de qualquer acção que tenha tomado para ser condenado a tal situação. E não, não estou a insinuar que os criminosos não a mereçam, só não acredito na pena de morte por um simples motivo, acho demasiado fácil. A morte por mais medo e respeito que a maioria de nós possa ter por “ela”, por assim dizer. É fácil para esses que são condenados. Como é que as pessoas poderão pensar que um caminho tão fácil será o melhor castigo? Pessoas que cometem crimes, que matam outras, que roubam e violam, que torturam outros seres humanos, que fazem coisas por vezes impensáveis, como é possível dar-lhes um caminho tão fácil, como a morte? Rápida e eficaz.
Quem mata outra pessoa tem a consciência do seu acto, seja qual for o motivo, e é portanto responsável mas como podemos retribuir-lhe da mesma moeda, o castigo deverá ser proporcional ao crime cometido? Como poderemos dizer isto se vamos matar uma pessoa que matou outra não poderíamos nós também ser castigados da mesma maneira? Como conseguimos distinguir as nossas acções das deles se queremos fazer exactamente aquilo que eles fizeram? Como podemos ser então, superiores, ou muito mais inteligentes, muito mais sensatos, talvez?! O castigo aplicado às pessoas que cometem crimes graves como por exemplo violar alguém, matar, ferir, deverá deixar uma marca no criminoso, ele deveria lembrar-se do rosto dessa pessoa a quem fez mal para toda a vida, porque afinal todos nós somos seres humanos. Afinal, todos nós somos seres racionais que muitas vezes levados pelos sentimentos, sejam eles quais forem nos levam a fazer coisas que nos arrependemos mais tarde, mas matar, violar? Não existe justificação para tais actos, sejam quais forem os motivos. Sabemos que um criminoso até pode ser um doente mental mas nada nos garante isso e uma pessoa que mata com consciência outra, merece viver com isso o resto da sua vida. Não a morte, mas sim viver com sangue nas suas mãos. A esperança é a última a morrer dizemos nós, e eu concordo absolutamente. Espero muito sinceramente que todos aqueles que cometeram crimes graves ou mesmo outra espécie qualquer de crime sejam punidos não com a morte, mas que fiquem enjaulados numa cadeia durante o resto das suas vidas, com esse peso na consciência. Pois tenho toda a certeza que não se vão esquecer do motivo porque estão condenados a uma vida a ver o sol aos quadradinhos.
Ana Sofia 11ºF

Anónimo disse...

Na minha opinião a pena de morte não devia ser apliacada. digo isto porque tal com já vi que foi falado nos comentários há diversas situações em que não há certezas sobre quem foi que fez o crime pois acho que fatos e as provas é que podem levar a tais certezas e por vezes não há suficientes para confirmar sem dúvida alguma a culpa do acusado. também há casos em que o acusado sobre de algum tipo de deficiência ou distúrbio mental e assim talvez fosse mais correto colocá-lo nalgum tipo de local onde houvesse reabilitação própria.
também já vi comentado que a pena de morte também não é correta na medida em que executar X criminoso não trará de volta á vida as pessoas que este assassinou nem irá remunerar a que assaltou por exemplo. Penso que o melhor seria que de alguma maneira as famílias pudessem ser «compensadas», o que por vezes é feito com algum dinheiro que é oferecido ás famílias ou há vítima(s) mas penso que algo como um familiar assassinado,ter o estabelecimento próprio assaltado, etc... são coisas que sem acompanhamento deixam danos psicológicos permanentes.
Acho que a criminalidade apenas tem alguma relação constante com a pena de morte quando o criminoso pensa que se cometer o crime é executado mas são inúmeros os casos de psicopatas e outros que o que lhes interessa é provar a sua superioridade perante outros membros da sociedade e para com a autoridade policial e que talvez para eles a pena de morte seja uma «oferta» pois significa que o sistema criminal não tem como lidar com eles e parece que a sua execução é a única maneira de os punir.
Em conclusão, para mim a pena de morte não é correta e no lugar desta talvez fosse melhor a prisão perpétua ou algum tipo de trabalho comunitário e que as vítimas/famílias pudessem ser de alguma maneira «compensadas» por tais crimes.
Fábio Gonçalves Nr10 10ºD

Anónimo disse...

Se, em geral, a punição serve determinados objectivos e funções, será que o mesmo acontece com a pena de morte? Será que há circunstâncias em que o Estado tem justificação para privar alguém de viver? Será que há circunstâncias em que a pena de morte é moralmente apropriada?
Qualquer pessoa já reflectiu sobre as suas escolhas e acções, e também sobre as escolhas e acções dos outros. Qualquer pessoa já disse que x agiu de maneira extremamente correcta, e que assumiu as suas responsabilidades com grande dignidade, ou então que x agiu de maneira imoral, e que é egoísta ou que foi incorrecto. Isto tudo para dizer que sim, sou a favor da pena de morte. Ninguém consegue ver mais nas notícias as barbaridades que certas pessoas cometem. A pena de morte devia de ser imposta, não às pessoas que cometem roubos mas sim à pessoas que que cometem crimes gravíssimos.

Débora 11ºF

André Ameixeira disse...

Na minha opinião, a existência de pena de morte é moralmente discutível, no sentido em que em certos casos, a partir de informação empírica e através da argumentação e pensamento, atitude crítica, podemos filosofar sobre a questão A pena de morte é moralmente correcta? Podemos utilizar informação empírica, pode ser um complemento para respondermos á questão filosófica anterior. O que se pretende saber é se a pena de morte reduz a criminalidade, está demonstrado que isso não acontece, a partir daqui podemos adoptar uma atitude crítica, como por exemplo: Será moralmente correcta a pena de morte, sabendo que não afecta a criminalidade? Outra questão que se pode colocar é no âmbito da condenação injusta, se um cidadão for mal sentenciado, sendo a condenado injustamente à pena de morte, quando se provasse que o respectivo cidadão fosse inocente, poderia se colocar a respectiva questão filosófica: Será moralmente correcto aplicar a pena de morte a um indivíduo, que depois se prove a inocência do mesmo? Podemos também utilizar o método do pensamento e da argumentação, no caso de dizer-mos que a pena de morte é moralmente correcta, pode-se defender que um assassino mesmo que esteja condenado a muitos anos de prisão, quando for libertado poderá manter as inclinações para voltar a assassinar, igualmente podemos supor que será melhor sofrer a pena de morte, do que viver torturado durante vários anos numa prisão e até falecer. Este método do pensamento e da argumentação, pode ser empregado para o oposto, ou seja, a pena de morte é moralmente incorrecto, defendendo a partir da informação empírica falada em cima (que a pena de morte, não diminui a criminalidade), mas também se pode resguardar que todo o indivíduo tem direito à vida (artigo nº3 dos Direitos Humanos) e que ninguém será submetido a tortura nem a penas de morte… (nº5 dos Direitos Humanos). Concluindo este tema, penso que a pena de morte, deve ser analisada a partir de informação empírica e através do método do pensamento, para podermos argumentar justificadamente a moralidade da pena de morte.

Rafael Fonseca disse...

Em muitos sistemas de justiça, a pena perpétua não existe. Na minha opinião, esta pena é o castigo ideal para crimes graves e propositados. Não se tira a vida ao criminoso, mas este irá passar o resto da vida numa prisão; ao menos com esta pena não poderá mais cometer um crime, resolvendo também o facto de que alguns psicopatas, não importando o tempo que passam na cadeia, quando são libertados, voltam a matar. Num sistema de justiça em que a pena perpétua exista, como em vários estados dos E.U.A, no Canadá (em que esta é obrigatória em caso de assassinato provado), a pena de morte é completamente incorrecta, pois a pena perpétua seria, e é uma alternativa infinitamente melhor. A pena de morte termina com a vida do criminoso. Apesar de efectivamente acabar com a ameaça deste particular indivíduo, o direito à vida é independente do sujeito. Apesar da justiça retributiva ser uma proposta extremamente atraente, admito, pois traz ao de cima os instintos da justiça popular e da vingança, temos de tentar pensar no caso (e aliás, em quase todos os problemas filosóficas) de forma totalmente imparcial. Tirar a vida ao criminoso seria descer ao seu nível. Sim, ele violou os Direitos Humanos elementares, mas, ao matarmos esse indivíduo, estaríamos nós também a violar esses direitos. Como várias pessoas disseram, como por exemplo a Ana Rita do 10º C, o criminoso de facto passou por cima dos direitos humanos, não merecendo assim que os consideremos em relação a ele. Mas não é a relação a ele que temos de pensar. Temos de pensar em relação a algo geral. Os Direitos Humanos são princípios por si só, princípios morais que são totalmente independentes do caso. Nunca devem ser violados. Seria uma violação dos teus deveres morais pessoais estar a ignorar os direitos de outra pessoa, nem que fosse o pior monstro existente. Como estava dizendo, o direito à vida é independente do sujeito. A pena de morte é, então moralmente incorrecta. Apesar de haver tantos criminosos horríveis completamente destacados da realidade, dando assim nenhum valor à vida ou a qualquer coisa que lhes possa acontecer, a pena perpétua, enquanto possível, é o castigo ideal. Tem as vantagens relacionadas com a pena de morte (impedir que o criminoso volte a cometer um crime), sem várias desvantagens desta (não causa tanto sofrimento aos familiares do criminoso, e, efectivamente, não tira a vida a este.)

Gostaria ainda de mencionar, em relação a vários comentários nesta página que na Alemanha, a pena máxima é de 15 anos. No entanto, o país tem um índice de criminalidade muito baixo. Isto prova que não é a duração ou a gravidade da pena que influencia a criminalidade

Refiro também que me agradaram bastante os argumentos apresentados pelo Leonardo Louro do 10º A, e pela Alina Dahmen do 11º C.

Anónimo disse...

Oponho-me fortemente à pena de morte.
Claro que um indivíduo que viola a lei deve ser castigado uma vez que a existência do castigo desencoraja a violação da mesma e pode levar ao arrependimento por parte do criminoso (o que não ocorre se o mesmo for condenado à pena de morte).
Quero deixar claro que, quando me refiro a um castigo, não estou de modo nenhum a mencionar a tortura, como tal, discordo vivamente da Rafaela Vera. Penso que para uma pessoa ser castigada não tem de ser sujeita ao sofrimento. Existem outras opções: a prisão perpétua por exemplo, não põe em causa qualquer tipo de direitos e (tal como o Bruno Cardoso referiu) priva o criminoso da sua liberdade, constituindo assim um bom castigo. Mas, na minha opinião, existe uma alternativa muito mais viável e na qual o Estado nunca pensa. Porque é que os criminosos não indemnizam a sociedade com trabalhos cívicos? Claro que com controlo de modo a não dar qualquer hipótese de fuga aos sujeitos em causa. Mas não acham que seria muito mais produtivo forçar os criminosos a executar determinadas tarefas em prol da sociedade do que lhes tirar a vida?
Para além do que referi anteriormente, quero ainda relembrar que, aquando da execução de um indivíduo que foi declarado culpado não existe retorno e todos temos conhecimento de que o sistema penal não é perfeito. Cometem-se injustiças. Acham correcto um indivíduo inocente ser condenado à morte? Eu não. Eu acho deplorável.

Beatriz Cabrita 10ºA

Miguel Pinto disse...

A pena de morte é obviamente necessária, mas apenas deverá ser utilizada para casos tais como assassinos em série ou em pessoas que cometem verdadeiros "massacres", como por exemplo o infamoso Filho de Sam que matou inúmeras pessoas pois dizia estar possuído pelo diabo, cuja justificação pelos crimes não tem qualquer cabimento na mente das pessoas.
Agora crimes como roubar, violação, matar involuntariamente e outros crimes nessa categoria, os culpados obviamente não devem ser condenados à pena de morte. Os homicídios também, caso seja um homicídio em que apenas uma pessoa seja morta, a pena de morte não deverá ser aplicada, mas sim a pena de prisão perpétua.
Resumindo tudo, na minha opinião, apenas indivíduos que matam mais que duas pessoas inocentes INTENCIONALMENTE deve lhes ser aplicada a pena de morte, pois como já dito noutros comentários, todas as pessoas têm o direito à vida, mas ao tirarem esse direito a várias pessoas intencionalmente, irão também perdê-lo.

Miguel Pinto nº 16 11ºC

Anónimo disse...

Na minha opinião,a pena de morte é moralmente incorreta. A execusão é um ato que não devia de existir no nosso mundo porque álguem seja quem fôr ou seja qual fôr o crime que tenha cometido, nínguem tem o direito de lhe tirar a vida, pois todos têm o direito em vivê-la, como é citado na Declaração Universal dos Direitos Humanos. Esses criminosos em vez de serem executados deviam de ser presos prepétuamente, castigados e trabalhar para a sociedade onde exerceram um ato criminoso.Caso haja execusão, também não concordo com o visionamento da execusão pelos familiares do criminoso e pelos familiares da(s) vitíma(s), pois este ato é sensível. Contudo, posso dar um exemplo conhecido. Antigamente se álguem, de uma região, fisesse algum erro que afeta-se a sociedade "ia á forca" e era executado perante toda a população dessa região. Esta é a minha opinião!

Sara Machado 10ºA Nº24

Anónimo disse...

Na minha opinião acho que a pena de morte em certas circunstâncias é moralmente justificável. Por exemplo, se uma pessoa tortura outra até à morte irá ser punida por esse crime. Mas agora pergunto, será que o castigo que lhe irão atribuir é o mais indicado? Não me parece. Com isto quero dizer o seguinte, no nosso país o limite máximo da pena de prisão é de 25 anos, ou seja, a lei não permite que haja pena de morte. Então vejamos, baseando-me no exemplo que dei lá em cima… A esse assassino devera-lhe ser atribuído a pena máxima que é de 25 anos. Mas entrando um pouco mais na realidade de hoje em dia e, falando das nossas leis é algo que deveria ser mais rígido. Dando mais um exemplo de um crime que na minha opinião é algo horrível é a violação. Quando um adulto viola, por exemplo, uma criança, vai a julgamento e é-lhe atribuído a pena máxima de 25 anos, se dentro da prisão obedecer às regras e ordens dos guardas, poderá ser solto mais cedo do que os 25 anos que lhe foram atribuídos. Será que isto é aceitável e justo? E se for solto e voltar a cometer o mesmo crime ou algo pior? Pessoas que matam e que violam são pessoas insanas, com distúrbios mentais, muitas delas até pudemos dizer que se sentem felizes a cometer esses crimes horrendos.
Referindo-me novamente à pedofilia, uma pessoa que viole outra não lhe está a retirar a vida de uma forma directa, mas sim indirectamente, ou seja, há muitas doenças que se transmitem por via sexual, como por exemplo a SIDA, ou então, essa pessoa que foi violada vai ficar perturbada para o resto da vida, dando como exemplo as crianças. Uma criança que foi violada não vai puder viver a vida normalmente, tal como as outras crianças da sua idade, devido ao que lhe aconteceu, e talvez até tenha de ser acompanhado psicologicamente.
Este é só mais um dos exemplos que, na minha opinião a pena de morte não deverá ser punida.

Jéssica Ferradeira, 11ºC

Daniel Pereira disse...

Eu sou absolutamente a favor da pena capital, porque sem ela o mundo seria um verdadeiro caos. E agora passo a explicar-me, como toda a gente sabe existe no Mundo várias pessoas que fazem coisas que nem nos nossos piores pesadelos poderemos imaginar (infelizmente). Sempre quando existe um crime e se encontra o criminoso por lei terá que se fazer justiça, ou seja, julgar o arguido e puni-lo pelos seus delitos perante a lei. Mas imaginem que esse criminoso tinha feito actos horrendos a diferentes vitimas que depois lhes retiro o seu bem mais precioso (a vida delas). Eu na minha opinião acho que o arguido teria que pagar por tudo o que fez, mas não me refiro em ele matar pessoas e depois ir passar o resto da vida dele na prisão( na minha opinião isto não seria pagar por tudo mas sim "ganhar" uma nova casa ) e para não falar no sofrimento dos familiares das vitimas, se ele não fosse morto como castigo acho que as famílias ficariam de rastos ao saberem que o assassino não seria morto pelo que fez. Outro motivo que faz com que eu concorde com a pena capital é que se esta pena houver os criminosos irão pensar algumas vezes antes cometer algo vil e cruel. Mas claro que eu não estou de acordo é com a punição da pena capital a pessoas inocentes ou até mesmo quando o julgamento é injusto da parte do juiz ( como se viu algum tempo atrás num texto sociológico que o professor nos mandou ler). E aqui estão alguns dos meus argumentos para concordar que a pena de morte é moralmente correcta. Se alguém se quiser opor está à vontade.

Ana Isabel disse...

Na minha opinião a pena de morte e moralmente incorrecta. Concordo com o que a Rafaela Vera 10ºD nº23 diz "a pena de morte é uma forma errada de agir contra o crime, seja qual for ele, sejam quais forem as suas consequências". E errado tirar a vida a alguem.
Como está explicito na declaração Universal dos Direitos Humanos a vida e um direito e devemos respeita-lo.
O facto de nao concordar com a pena de morte nao quer dizer que nao concorde com outros tipos de puniçao.

Ana Isabel nº5 10ºC

Anónimo disse...

Eu não posso dizer que sou totalmente a favor da pena de morte, porque geralmente a pena de morte não e aplicada de forma correta. Mas há situações onde é extremamente necessário agir desse modo. Eu acho que todas as pessoas que matam outros seres humanos, deviam ser punidos com a pena de morte porque tal como eles têm o direito à vida as pessoas que eles mataram também o têm, logo se eles não "deixam" as pessoas viverem também não têm o direito viver! Por outro lado também concordo com a aluna Rafaela Vera, da turma 10ºD,com a questão da tortura porque se matarmos logo a pessoa ela não irá sofrer e não se vai arrepender do mal que fez, mas ainda há a opção de torturar a pessoa MAS por fim acabar por mata-la, porque mesmo tendo sido torturada não tem o direito a vida! Ainda há casos em que a pena de morte não é de todo justificável como por exemplo nos países em que aplicam a pena de morte para crimes que não são muito graves( Roubos,vandalismo...) ou ainda naqueles países em que aplicam a pena de morte a mulheres apenas por conduzir um carro ou fazer algo que não seja permitido nas suas leis, estas pessoas não têm o direito de morrer! Com esses "crimes" não roubaram a vida a ninguém! Também penso que para aplicar a pena de morte é necessário ter a certeza de quem cometeu o crime, porque uma pessoa que não o fez não tem que sofrer por isso.
-Esta é a minha opinião.

Filipe Jesus nº 11 10ºD

Anónimo disse...

Antes de mais não li todos os comentários senão não sairia daqui nem amanhã ;p

Exº m colega Rui Branco ao que parece a sua opinião acerca do meu 1º comentário vai contra a sua ideologia, isto é, voce referiu que era a favor da pena de morte (o que vai contra TODOS OS DIREITOS EXPRESSOS NA DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS e vem me falar que torturar é desumano? Afinal em que ficamos? Pense bem e depois elabore uma justificação plausível contra a minha opinião!
Sem mais de momento me despeço.
Atensiosamente!
Rafaela Vera nº23 10ºD
PS: Quando disse: " ...fazer com que o criminoso repense naquilo que fez, quem fez sofrer e fazê-lo SOFRER DE FORMA IGUAL de modo a que o mesmo consiga sentir o que o ofendido sentiu ..." referia-me a uma turtura a longo prazo que implicasse "cenas do assassinato, por exemplo" do mal que o criminoso fez ao ofendido, não teriam de ser propriamente as mesmas coisas mas sim algo equivalente.

Bom como já o tinha dito antes, eu sou contra a pena de morte. E como a minha cara colega Ana Rita 10ºC citou, sim infelizmente não conseguiremos "salvar" o mundo da criminalidade sem usarmos os mesmos metodos que os criminosos... A meu ver a criminalidade é como a questão da reciclagem. Consegues sempre contagiar muitos mas infelismente outros por preguiça não a fazem. O que eu quero dizer é : "Se não os consegues derrobar, junta-te a eles" penso que este seja o pensamento de um criminoso. Se verem o JORNAL DAS 8HORAS (entre outros), vêm que até gente da dita justiça está infiltrada não pelos melhores motivos em certos crimes. lOGO NÃO ME VENHAM FALAR EM DIREITOS HUMANOS QUANDO NINGUEM OS SEGUE Á RISCA, nem mesmo quem deveria, como os que fazem juizos de valor e que têm o poder da condenação. Isto é, se matar, turturar é desumano então o que fazemos? Visto que a justiça nem sempre é CORRETA, que fazemos? Prisão prepetua? Sim, é uma boa opção por agora enquanto as cadeias ainda têm lugares vagos ;) Já agora pensem nisto, na cadeia os criminosos têm comida, um sítio onde dormir, podem receber família ... que mais podem eles pedir?! Enquanto uns trabalham outros fazem vida de "rico" (os criminosos, não trabalham mas tem tudo). Grande conclusão, quando for grande vou ser uma CRIMINOSA ;D

Rafaela Vera, 10ºD :)

Anónimo disse...

Rafaela Vera queria que me disses onde disse que a trutura era desumano? O.o

Rui Branco 10ºC

Anónimo disse...

Eu não estou a favor da pena de morte pelas sequintes razões:
1ºNinguem têm o direito de tirar a vida a um ser humano, nem que este tenha feito o mesmo.
2ºNós ao aplicarmos a pena de morte a um criminoso estariamos a quebrar a carta dos DIREITOS HUMANOS.
3ºTodo o ser Humano tem o direito de errar, e tabem têm o direito de ter uma segunda oportunidade.

Todos os que concordaram que se deve aplicar a pena de morte, não estão bem a pensar que em certos casos a pena de morte, seria um castigo demasiado drastico.
EXEMPLO: se agora um rapaz rouba-se um chocolate, e ao fazer este ato de vandalismo a senhora da loja, partia a perna.

Acham que este rapaz deveria ser condenado a pena de morte.

Vocês podem simplesmente, só se estarem a referir as pessos que matam outras, mas era só um pouco de tempo até que, todos aqueles que roubavam, nem que fosse uma bolacha, tabem fossem condenados.


Eu agora posso estar a ser um pouco dogmático, mas as pessoas que concordam com a pena de morte, deviam pensar melhor no que estão para ai a escrever.




Feito por Miguel Ângelo Gonçalves
10ºD Nº18

Patrícia Pacheco disse...

Eu sou contra a pena de morte . Porque por pior que seja o crime que alguém cometa , nós não podemos descer ao "nível" dessa pessoa .
Por exemplo , X individuo viola uma rapariga , esse individuo não deveria ser morto , muito menos ir parar à prisão só determinados anos , como acontece actualmente , mas considero que deveria ser executado nesse individuo tortura , não uma tortura tão acentuada como a pena de morte , mas mandá-lo para a prisão para ser torturado , mas o individuo deveria sentir na pele o que fez .
A pena de morte não iria fazer com que o individuo X sofresse ou repensasse sobre as consequências de ter violado a rapariga e com a prisão e a tortura esse individuo iria pensar .

Não concordo com o que anteriormente foi dito que a pena de morte "dá mais segurança às pessoas" . Porque se todos os crimes fossem puníveis com a pena de morte , é óbvio que as pessoas iriam pensar duas vezes antes de realizarem algo , mas também há aqueles indivíduos que são acusados injustamente e sem provas concretas , possivelmente pessoas sem culpa alguma , iriam ser executadas .
E acho também que iria trazer um pouco de medo para a sociedade se a pena de morte fosse aplicável a todos os crimes .

Discordo também da pena de morte porque se todos temos o direito à vida , ao executarmos a pena de morte , iríamos estar a matar alguém , o que , por si só , já é um crime !

Acerca da tortura acredito que nem todos os crimes a mereçam , só mesmo os crimes mais agressivos .

- Patrícia Pacheco , 10ºB , nº 20

Cátia Silva disse...

Eu não concordo com o aluno Rui Branco, e concordo mais ou menos com a minha colega Rafaela Vera, pois:

- A pena de morte é a pena máxima, em alguns países, que consiste em matar uma pessoa que cometeu um crime incompreensivel e desumano, ou seja, um homicidio de 1ºgrau. Apesar desta ser proíbida nos países da Europa ainda existe, por exemplo, nos EUA.
Na minha opinião, a pena de morte devia ser proíbida em todos os países do mundo.
Mesmo que uma pessoa cometa um homicídio terrivel, como, por exemplo, um homem matar uma rapariga esfaqueando-a, penso que este homem não merece pena de morte, porque se o matarem ele não vai ter tempo para se arrepender de o ter feito, e não vai sofrer por aquilo que fez, mas sim a familia da rapariga por lhe terem tirado uma pessoa que lhe era querida, e , ainda, a familia do homem, por o terem morto.
No entanto, como o aluno Rui Branco, algumas pessoas, são a favor da pena de morte, devido ao fato de pensarem que uma pessoa por ter morto outro merece a morte também.
Mas, se pensarmos bem, vemos que esta conclusão esta errada, porque: se um homem mata outro e merece pena de morte são duas pessoas mortas, duas familias destruidas e o assassino como está morto não vê a situação em que se meteu, não sofre, não se arrepende e não vai ter hipóteses de pagar por aquilo que fez.

Cátia Silva 10ºD Nº 5

Cátia Silva disse...

Eu não concordo com o aluno Rui Branco, pois:
- A pena de morte é a pena máxima, em alguns países, que consiste em matar uma pessoa que cometeu um crime incompreensivel e desumano, ou seja, um homicídio de 1º grau.
Na minha opinião , a pena de morte devia ser proíbida em todos os países do mundo.
Mesmo que uma pessoa cometa um homicidio terrivel, como, por exemplo, o caso de homicidio de Carlos Castro, eu penso que Renato Seabra não merece a pena de morte, porque se o matarem ele não vai ter tempo para se arrepender de o ter feito, e não vai sofrer por aquilo que fez, mas sim a familia de Carlos Castro, por terem perdido um ente querido, e a familia de Renato, por o terem morto.
No entanto, algumas pessoas, como o aluno Rui Branco, que são a favor da pena de morte devido ao fato de pensarem que por uma pessoa ter matado outra mereça a morte também.
Mas, se pensarmos bem, verificamos que esta conclusão está errada, porque: se um homem mata outro e merece pena de morte são duas pessoas mortas, duas familias destruidas e o assassino como está morto não vê a situação em que se meteu, não sofre, não se arrepende e não vai ter hipóteses de pagar por aquilo que fez!

Cátia Silva 10º D Nº5

Anónimo disse...

Na minha opinião, a pena de morte é moralmente incorrecta.

Mesmo se algumas pessoas fazem coisas horríveis, acho que não temos o direito de decidir a hora e o dia da morte de alguém mesmo se as vezes, algumas pessoas mereciam.
A pena de morte antes de ser um acto que acho incorrecto, não respeita os direitos humanos como nos diz o artigo III “Toda pessoa tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal” ou ainda o artigo V “Ninguém será submetido à tortura, nem a tratamento ou castigo cruel, desumano ou degradante”.
Mencionei o artigo V porque acho que a pena de morte é um castigo cruel mesmo se sabemos que as acções que essas pessoas fizeram são as vezes ainda mais cruéis.

Como diz a Ana Rita do 10C “Se o criminoso matou uma pessoa ou a torturou também não cumpriu o combinado na Declaração universal dos Direitos Humanos” mas pronto, eles são punidos por não terem respeitado os direitos, a serem presos. E para nós ficarmos com a nossa consciência tranquila sem pensar que nós não respeitamos os direitos do criminoso, acho que não devemos aceitar a pena de morte assim, só o criminoso estaria no erro.

Wendy Rosa 10D Nº31

Anónimo disse...

Eu sou contra a pena de morte porque vai contra os direitos humanos. Eu acho que quando alguém comete um crime grave, como o homicídio essa pessoa devia levar pena perpétua em vez de pena de morte, pois assim fica sem liberdade e não volta a cometer crimes outra vez, apesar de esta solução causar alguns problemas económicos (custos da alimentação dos prisioneiros) eu acho que é a mais correcta, pois as vezes há erros jurídicos quando as pessoas inocentes são acusadas de um crime e se a pessoa tiver presa ainda pode ser libertada, mas se houver pena de morte não há nada a fazer

Alice Dourado 10ºC

João Mourato disse...

Não concordo com a pena de morte por várias razões.
Uma delas é retirar-mos a vida a um ser humano, assim sendo o individuo que cometeu um crime punível com a pena de morte não irá sofrer as consequências dos seus actos .
Um criminoso apenas é condenado se este fizer algo de muito grave , assim retirar-lhe a vida apenas estamos a liberta-lo do sofrimento a partir do corpo humano , pois ele poderia ficar em prisão perpétua e ser encarregue de trabalhos árduos , isto faria com que o seu corpo sofresse pelo crime que cometeu.

Nós , seres humanos, não sabemos ao certo o que nos acontece quando morremos, existem apenas especulações , não sabemos o que é o pós-morte , se o que acontece é bom ou mau .

Logo por estas razões não acho que a pena de morte seja correcta .

João Mourato , Nº18 , 10ºC

Anónimo disse...

Eu sou contra a pena de morte. Embora certos crimes sejam de tal modo inaceitáveis que o castigo que parece mais adequado seja a pena de morte, eu não acho que deva ser aplicado pois esta não é, na minha opinião, uma forma racional de se agir. A justiça deve ser feita mas existem outros métodos para além da pena de morte que é desumana e, muitas vezes injustamente aplicada por motivos de discriminação ou racismo. Se crimes como homicidio, turtura, etc são moralmente incorretos, então matar quem os comete é também moralmente incorreto, pois matar é errado.
Com isto digo que a pena de morte deve ser abolida por motivos de civismo.

Sara Teixeira Nº24 10ºD

Anónimo disse...

Quem aqui diz que o criminoso tem que sofrer algo equivalente não me parece que esteja a pensar corretamente. Tal como os professores explicaram nas aulas de Filosofia existem psicopatas e o que eles querem é provar a sua superioridade para com o resto da sociedade e para com a autoridade policial e então não adiantaria de nada qualquer tipo de tortura porque a tortura só funciona assim (não volto a fazer X crime porque tenho medo de ser torturado).Com os psicopatas é mais provável que voltem para as ruas e façam ainda pior. E também pensem na dificuldade que o sistema judicial tinha em arranjar penas que equivalessem aos crimes feitos. Se o criminoso tiver assaltado uma loja então agora a loja do criminoso tem de ser assaltada para ele perceber o mal que fez? Se o criminoso disparou sobre o braço de um inocente então o criminoso merece pelo que vocês dizem um tiro no braço? Não me parece.
Fábio Gonçalves Nr10 10ºD

Anónimo disse...

Eu não sou a favor da pena de morte e acho que esta maneira de resolver uma situação não é a mais correta, pois, a meu ver, a pena de morte não faz com que um culpado reflicta sobre o erro que cometeu e se arrependa de tal ato.
Para além disso considero a pena de morte incorrecta, sendo eu a favor que as pessoas merecem uma segunda oportunidade para provarem que são capazes de agirem com atitudes mais dignas e deste modo tornarem-se melhores pessoas. Matando um individuo não iria fazer com que este mudasse ou reflectisse, mas sim, iria morrer como provavelmente também iria morrer um dia devido a idade, doença ou acidente.
A meu ver, deviam é torturar o culpado até este percebesse e consentisse o tal ato imaturo,ou então, deixar alguma marca negativa em seu corpo que lhe fizesse lembrar e recordar para toda a vida o seu grave erro.
Imaginemos que um pedófilo violava uma rapariga inocente e frágil que vinha a caminho para a sua casa depois de um dia exausto de escola. Segundo a minha teoria, este pedófilo deveria ser torturado e castrado para ficar com marcas tanto fisicamente como psicologicamente do seu ato imaturo e deste modo, reflectia na atitude que tinha cometido.
Na minha opinião, torturar seria a melhor maneira de resolver esta situação e não, retirar logo a vida ao culpado, pois, todos nós gostamos de ter uma nova oportunidade e provar que podemos agir de melhor maneira depois de um grave erro cometido.
Adeus, beijinhos ;)

Soraia Mateus 10ºB Nº20

Anónimo disse...

Muita gente está a dizer que toda a pessoa têm o direito á vida. Não discordo com a vossa opinião!!
MAS se os assassinos acabam com a vida de outras pessoas não poderão simplesmente ser presos(mesmo que seja prepetuamente), porque para alguns criminosos a prisão não os prejudica!! Têm alimentação, cama etc...! Logo têm de ter uma punição diferente das pessoas que fazem crimes menos graves.



Filipe Jesus nº11 10ºD

Anónimo disse...

Eu não concordo com a pena de morte, porque ao aceitarmos que alguém seja condenada, é também aceitar a prática de outro crime, eu na minha opinião acho que se querem ver os criminosos a sofrer a melhor solução é prisão perpétua, pois assim os criminosos são privados das suas liberdades.

Bruna Faustino nº2 10ºD

Anónimo disse...

Eu não concordo com a pena de morte, pois por exemplo se alguém comete um crime, como matar alguém, ao estarmos a condená-la á morte estamos também nós estaríamos a cometer um crime: “acabar com a vida de uma pessoa”.
Cláudia Ferreira nº10 10ºC

Anónimo disse...

Eu sou contra a pena de morte, na minha opinião a pena de morte é tortura, ou seja, é uma execução (retira a vida a um prisioneiro para prevenir eventuais crimes futuros) que constitui um atentado físico e mental extremo. A dor física causada pelo ato de matar e o sofrimento psicológico causado pelo conhecimento prévio da própria morte não podem ser quantificados. Todas as formas de execução são desumanas e ainda posso argumentar que é necessário não esquecer que o condenado sofre uma dor psicológica inimaginável, desde que é condenado, até ao momento da execução.
A pena de morte tem como risco o erros judiciais que não podem ser corrigidos, havendo os risco de executar inocentes.
Ana Rita
10ºA

Anónimo disse...

Eu sou contra a pena de morte porque, para além de violar os Direitos Humanos, matar outro ser humano é desumano e cruel e alguém tem de ser responsável por aplicar esta pena, nem que seja carregar num simples botão e não me parece que essa pessoa se sinta bem depois de o fazer.
Ninguém tem o direito de tirar a vida a ninguém mesmo que quem morra tivesse cometido o crime mais cruel que se possa imaginar e concordo com o Bruno Cardoso quando diz que matar o criminoso seria descer ao seu nível e que poderíamos estar a cometer um crime ainda maior que o dele.
Também concordo com a Beatriz Saavedra que afirma que se os julgamentos forem injustos, não é possível corrigir os erros cometidos

Carlota Arvela 10ª A nº8

Anónimo disse...

Eu não concordo com a pena de morte, acho que é uma forma muito cruel de resolver certos problemas. Todos nós cometemos erros mas às vezes nem sempre a crueldade é a solução. Temos todos direitos e deveres mas às vezes os mais pequenos erros são os que têm maior penalização. A pena de morte devia ser abolida em todos os países. Sem mais nada a dizer ...
Verónica Alexandre 10ºD nº30

Anónimo disse...

Isto é realmente um assunto discutível e, por isso mesmo antes de dar a minha opinião tive de ler as várias opiniões aqui debatidas e algumas achei muito interessantes.
Eu estou inteiramente contra a pena de morte, pois é imoral tirar a vida a uma pessoa, independentemente do seu estatuto, etnia, religião ou origem, mesmo que essa pessoa tenha cometido um crime grave, porque todo o ser humano tem o direito à vida, mesmo que tenha cometido uma infração à lei, tenha ele o seu grau de gravidade.
A meu ver, a pena de morte é um assassínio a sangue frio a alguém sem dó nem piedade, não faz sentido, pois vejamos, se os países que ainda executam este método dizem que é errado matar seja em qualquer circunstância, porquê então "cometer um crime" a alguém que também cometeu um? Aí estarão a contradizer-se. Dá que pensar...
E, também esses mesmos países apresentam a pena de morte como sendo vital para controlar o crime, mas e se essa pessoa for inocente? A injustiça de alguns países que ainda executam a pena de morte, é que enquanto a justiça humana for falível, o risco de se executar um inocente ainda é grande, pois ainda acontece muito prender a pessoa errada.
O que me deixa ainda mais transtornada com este assunto, é que mesmo que a pena de morte a menores seja proibida pela lei internacional, alguns países fazem-no em segredo, por exemplo no Japão , as execuções são efetuadas em segredo, sendo os condenados informados apenas horas antes de serem mortos. Mas que direito têm essas pessoas de retirar a vida a alguém?
No meu ponto de vista, a pena de morte é cada vez mais rápida e menos dolorosa, isso não faz sentido, a pessoa em causa tem de sofrer pelo que fez e, não é assim que ela irá sofrer, acredito que os criminosos têm de ficar até ao resto das suas vidas presos, para que tenham a consciência pesada e que lhes doa por dentro todo o mal que cometeram, acredito que assim sim, eles sofrerão. Mas claro, há crimes e crimes…
Mas há uma coisa que discordo totalmente, que é o facto das prisões novas terem um melhor equipamento, terem ginásio, sala de convivência, piscina, tudo do bom e do melhor, assim é claro que até as pessoas sem condições, cometerão crimes só para ter uma vida mais “estável”.
Queria só acrescentar que discordo inteiramente a opinião do aluno Rui Branco do 10ºC, pois ele refere o seguinte “Mas também não se aplica pena de morte a todos os crimes, ao meu ver devia-se aplicar penas de morte a crimes como: Homicidios; Casos de "tortura" ( quando dao uma grande "sova" a uma pessoa, por causa de dividas, por exemplo ); grandes assaltos ( como bancos, grandes edificios e até casas )” ou seja, ele acha que as pessoas que por exemplo, roubem um banco ou casas, sejam condenados à pena de morte, então imaginemos que um homem ou mulher comete este crime porque foi a única solução que arranjou para por comida na mesa, será moralmente correto matá-la? Não, claro que não. É por isso, que não concordo com este método, pois muitas vezes mata-se pessoas inocentes, ouque queriam apenas defender-se ou até por questões de sobrevivência.

Anne Griff 11ºF

Anónimo disse...

Na minha opinião, a pena de morte é incorrecta.
Ao ser aplicada a pena de morte a alguém que cometeu um crime, está-se a fazer um grande atentado ao direito à vida do cidadão que irá ser executado, que apesar de ter cometido um crime (muitas vezes bastante grave, inclusive acabando com a vida de outras pessoas) não significa que devemos ser iguais a esse individuo, e pagar-lhe na mesma moeda, oferecendo-lhe a morte.
Muitas vezes sabemos que esses criminosos realmente merecem algo como a pena de morte devido ao que fizeram, mas na prática não pode e não deve ser assim. Existem muitas outras maneiras de fazer essas pessoas aprenderem e mudarem o seu comportamento, nem que seja com anos de trabalhos comunitários...

Agora tenho que discordar da opinião do Rui Branco que, segundo o que entendi, defende que deve ser aplicada a pena de morte a qualquer homicídio, casos de tortura e grandes assaltos.
Na minha opinião isso não tem nem um pouco de sentido, ou seja, por qualquer homicídio vamos executar também o homicida, ou então assaltam 5 bancos e são executados também. Acho ridículo. Pois como se não bastasse as vitimas que esses crimes causam, agora ainda íamos fazer mais, executando os criminosos... Isso dá a ideia que os papéis se invertiam e, quem estaria a aplicar a pena de morte, seria já uma espécie de assassino com um desejo sádico.

Para além do mais, todos nós sabemos que existem julgamentos errados, e muitas vezes são declaradas culpadas de crimes, as pessoas inocentes. Acontecendo isso com a pena de morte, como algumas vezes acontece nos locais onde ela ainda é aplicada, inocentes perderão a sua vida e os verdadeiros criminosos continuarão à solta, provavelmente a cometer outros crimes, podendo mais uma vez esquivar-se a justiça culpando mais inocentes.

Como já falei existem "montes" de outras formas de punir um criminoso, sem ser terminar com a sua vida.

A pena de morte por vezes leva-nos à ilusão que se fosse aplicada mais vezes, ou em mais países, o Mundo seria mais seguro e havia menos crimes. Mas claro que isso não acontece, e, por vezes até aumenta o número de crimes em estados ou países com pena de morte, como já foram aqui apresentados exemplos.

Portanto, discordo do uso da pena de morte como medida de punição para os crimes cometidos, ou como tentativa de diminuição do número de crimes existentes.

Ricardo Martins 10ºC :)

Anónimo disse...

Para responder a questão se a pena de morte é moralmente errado ou não devemos primeiro entender que todos nós somos iguais e que todos nós temos os mesmos deveres e direitos. Se todos nós somos iguais, será que um ser humano pode julgar sobre a vida de outro ser humano? A lei diz que não podemos matar, mas se o estado decide que um assassino é julgado a morte, isso não é matar? Qual nome é que podemos dar a pessoa quem mata o assassino? Mesmo assim, a pena de morte não é apenas condenado aos assassinos, mas no Irão, por exemplo, também aos homosexuais. Será justo matar uma pessoa homosexual? Será que esta pessoa tem culpa de ser assim? E mesmo se tiver culpa, será que temos o direito de matar toda a gente que é diferente?
Na minha opinião, a pena de morte é errado em qualquer circumstância. Para fundamentar a minha opinião tenho de admitir que acredito que somos determinados, ou seja que não temos livre arbítrio. Assim sendo, um assassino não tem culpa porque todas as suas acções já estavam determinados pelos acontecimentos anteriores. Claro que cientificamente aínda não podemos concluir se há livre arbítrio ou não, mas acho que temos de ter em causa a possabilidade que somos determinados, e que então não temos culpa das nossas acções. Também acho que a pena de morte não é bem uma punição. Uma pessoa condenada a morte, não tem, por exemplo, a possibilidade de pensar sobre aquilo que fez. Não tem a possibilidade de mudar de atitudes. Assim também não concordo completamente com a prisão prepétua. Acho que todos nós devemos ter uma segunda opportunidade. Claro que, antes de libertar um assassino, temos de fazer bastantes testes psicológicos para ver se esta pessoa está em condições para participar a nossa sociedade sem voltar ao seu padrão antigo. Não sei se cientificamente já podemos concluir se uma pessoa realmente mudou ou não. Até que podemos ter a certeza que uma pessoa não volta a fazer o mesmo concordo com a prisão prepétua, mas não com a pena de morte.

Jearina Isabelle 11°C

Anónimo disse...

Desacordo do Rui Branco a pena de morte não tem justificação, é moralmente incorrecto e nunca deve ser aplicada seja qual for a situação. Vou identificar,um individuo foi acusado de um crime grave e em tribunal decide-se aplicar a pena de morte,esse individuo é morto, meses depois descobriu-se que afinal era inocente, a sua morte era injustificável, mas o que esta feito esta feito e não se pode voltar atrás. Se alguém da minha família fosse assassinada eu preferia que quem a matou sofresse até ao final dos seus dias na cadeia em vez de ser morto e de se acabar logo com o seu sofrimento.

Alexandre Neto 10ºC

Ps: Irei completar a minha teoria quando poder desfrutar de mais tempo para a completar.

Daniela Martins-10 D disse...

Na minha opinião a pena de morte em alguns casos é correcta, como por exemplo um individuo que tenha assassinado varias pessoas, mas sou contra o resto como o aborto o assassinato e etc...
Mas nao acho correcto a pena de morte ser aplicada a todos os crimes, acho que só se deve matar mesmo alguem quando esse fez bastante mal a outras pessoas inocentes que nao se puderam defender.

Anónimo disse...

Na minha opinião, a pena de morte é moralmente incorreta. Antes de mais, a sua aplicação reflete a incapacidade e covardia do estado que a emprega por, deste modo, admitir que não é capaz de controlar o criminoso, se não eliminando a sua existência.
Na verdade, chegar à conclusão de que a pena de morte é um sinal de fraqueza não implica mais do que um pouco de reflexão: Nos dias que correm, apenas algumas dezenas de países recorrem à pena de morte, ao invés do que acontecia no passado, onde esta era vista, por quase todos os estados, como a maneira mais eficaz e prática de eliminar a criminalidade. Isto prova que, há medida que o Mundo se foi desenvolvendo e evoluindo, e com ele a mentalidade e consciência das populações, os humanos foram abrindo os olhos à barbaridade que a pena de morte é. A sua aplicação demonstra, então, o atraso da mentalidade de alguns países.
Por outro lado, e como todos nós sabemos, a pena de morte é considerada a pena máxima e, na maioria dos casos, é utilizada para penalizar crimes graves como o homicídio. Ora, se condenamos um indivíduo à morte por ter morto alguém, estamos a cometer um crime igualmente cruel. Com certeza alguns de vocês estarão a pensar que esta ideia é errada, porque quem aplica a pena de morte tem, na verdade, razões que justificam a sua ação - O sujeito X é um criminoso, é arriscado deixá-lo viver. - Mas quem nos garante que o sujeito X também não teve razões admissíveis para cometer o seu crime?
Por fim, quero ainda fazer referência a uma falha evidente, mas não menos importante, na utilização deste sistema: A pena de morte é irreversível pelo que, uma vez aplicada a um inocente, este não poderá ser remunerado ou de outra maneira compensado, como poderia acontecer se tivesse sido usado outro método penal. É tudo :)
Sofia Isabel Cabrita, 10ºD

Anónimo disse...

No momento em que decidimos matar um assassino através da pena de morte estamos a assumir que matar é errado, pois foi através desse motivo que foi tomada essa decisão. Se matar é errado, então porque faze-lo? Por o indivíduo não ser melhor que nós? A verdade é que nesse momento tornamo-nos o criminoso. Não temos o direito de retirar a vida a nenhum ser humano, independentemente do motivo. Quando se trata de resolver problemas devemos analisar o caso com atenção e expor todas as resoluções, e não saltar para a pior possibilidade. Além disso, o facto de o assassino ter morrido não irá fazer com que nada volte atrás e melhore. Será apenas mais uma morte.
Na minha opinião é que a pena de morte é moralmente errada e dispensável.
Para concluir queria fazer um comentário em relação a opinião da aluna Rafaela Vera do 10ºD nº23. Ela referiu que devemos “fazê-lo sofrer de forma igual de modo a que o mesmo consiga sentir o que o ofendido sentiu” através da tortura. Como é que isso é certo? Será que não evoluímos desde o tempo em que a violência era a solução para tudo? Achas mesmo que espancar uma pessoa seria melhor opção? Para além disso, não sabemos se as feridas que forem feitas não cheguem aos órgãos e matem a pessoa. Nesse momento temos uma morte ainda pior porque para além de ser dolorosa é muito mais lenta.

Cristina Cochela 10ºC nº11

Anónimo disse...

Eu acho a pena de morte demasiado radical!
Acho que mesmo que o criminoso tenha feito alguma coisa muito má, nunca se deve meter a pena de morte como opção.
O ser humano não tem o direito nem o dever de acabar com nenhuma vida humana, porque este não esta acima dos outros seres humanos, pode ter um trabalho melhor ou melhores condições de vida mas mesmo assim não tem o direito de matar uma pessoa.
Sei que pode haver pessoas que estão contra a minha opinião mas cada um tem a sua :)
ass: márcia gago nº15 10ºD

Mariana Eusébio disse...

Eu não sou a favor da pena de morte porque acho que por muito mal que um ser humano possa ter feito a outro não justifica a morte e também porque penso que morrer é uma pena muita fácil para alguém que cometeu um crime grave (como matar uma pessoa, ou outros dos crimes cuja sentença seja a pena de morte), penso que passar a vida na prisão, fechado numa cela minúscula 24horas por dia é uma pena muito mais pesada do que a morte! Penso que na prisão, sim os prisioneiros sofrem e acredito que lá sim cumprem a pena merecida porque pelo que ouvi dizer a vida numa prisão não é fácil!

Mariana Eusébio, 10º D

Anónimo disse...

A pena de morte para mim não é moralmente correta, pois nenhum ser humano tem o direito de tirar a vida a outro.

Seja o que for que tenham feito, não se justifica tirar-lhes a vida, porque assim estariam também a fazer um ato reprovável.
Mas neste mundo ainda existe em muitos países a pena de morte e ainda bem que no meu país ela já não existe há muito tempo.
Já morrem muitos seres humanos de fome e na guerra. Para quê matar ainda mais pessoas, com o apoio da lei? Devemos respeitar a vida de todos. Mas há pessoas que não o fazem, por causa dos conflitos e por querem tudo a todo o custo. Mesmo para aqueles que recorrem a meios moralmente incorretos, como matar, o castigo não deve ser tirar a vida a quem comete um crime. Há outras formas de castigo como a prisão perpétua.

Nuno Vargues, 10º B

Anónimo disse...

é certo que inibe muitas vezes os criminosos de cometer um crime. Mas pensemos de outra forma: e se for a pessoa inocente? há casos comprovados disso mesmo.
E se o crime não for premeditado, será que a pena de morte é mesmo um fator de inibição ?
A pena de morte defende a morte como castigo de um crime, estando muitas vezes a ser cometido um crime pior do que o que está a ser punido, além disso influencia as gerações a fazer justiça pela violência com violência, pela morte com morte. Que moral terão estes homens denominados carrascos e os que neles mandam para condenar alguém que matou, sequestrou ou assaltou outro alguém ?

kate disse...

eu sou a favor da pena de morte porque com ela a sociedade ficaria mas segura. ate por que o criminoso iria pensar duas vezes antes de cometer o crime .pois seria execultado.respeito os direitos humanos e respeito quando diz todo ser humano tem direito a vida ;porem o criminoso nao pensou nisso antes de cometer o crime. e ele mesmo violou os direitos humanos tirando a vida do proximo entao porque temos que respeitar os seus direitos