terça-feira, 5 de outubro de 2010

Oxalá!

De acordo com informações dadas pelo Gave às escolas (e que serão, parece, tornadas públicas amanhã) este ano existirá teste intermédio de Filosofia no 10º ano. (Ver aqui a matriz.)

A ideia é – suponho - preparar os alunos para o exame nacional de filosofia no 11º ano. Nas últimas semanas tem circulado entre os professores de filosofia a informação de que esse exame vai regressar, mas não será obrigatório e terá apenas o carácter de prova específica para ingresso na universidade.

Contudo, só se costumam realizar testes intermédios em disciplinas em que existe exame nacional obrigatório (necessário para concluir a disciplina). Nas disciplinas em que o exame nacional serve apenas de prova específica, como por exemplo Inglês, não existe teste intermédio. Significará isso que o exame nacional de filosofia será, afinal, obrigatório?

Não sei o que irá o Ministério da Educação anunciar amanhã, mas gostaria muito que a resposta a essa pergunta fosse afirmativa. Um exame nacional de filosofia obrigatório (bem feito, bem feito!) melhoraria muito o ensino e a aprendizagem da filosofia. (Para ler argumentos a favor dessa ideia veja a etiqueta Exames e exigência.)

Mas, quer o exame nacional seja obrigatório quer seja apenas opcional, as coisas só correrão bem se os professores de filosofia fizerem coisas tão simples como ler bons livros de filosofia. A notícia seguinte vem por isso a propósito, até porque a crise económica não dá mostras de querer ir embora: a editora Gradiva tem à venda com descontos de 10%, 20% e 30% os interessantes e úteis livros da colecção Filosofia Aberta. Veja aqui.

1 comentário:

Letícia disse...

Olá amigos, deixo aqui a minha dica:
A Rede de Popularização da Ciência e da Tecnologia da América Latina e do Caribe (Red-POP) recebe até 15 de novembro, propostas de trabalho para a 12ª Reunião Bienal que acontece no Brasil, organizada pelo Museu Exploratório de Ciências (MC), da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), de 29 de maio a 2 de junho de 2011.
Com o tema “A profissionalização do trabalho de divulgação científica”, o encontro aceitará tanto trabalhos de pesquisa, de caráter acadêmico, quanto de profissionais da área, interessados em relatar suas experiências. Cinco eixos temáticos vão nortear a 12ª Reunião: Educação não-formal em ciências; Jornalismo científico; Programas e materiais para museus de ciências: materiais e práticas concretas; Museografia e museologia científica; Público, impacto e avaliação dos programas.