sexta-feira, 21 de março de 2014

Dia Mundial da Poesia: uma divisa de vida

 

"Fazer o mais honesto, empenhar-se
ao máximo, sabendo que é completamente irrelevante.
É essa a grandeza do ser humano."

Manuel António Pina

 

Descobri esta citação no mural do director do jornal de negócios, Pedro Santos Guerreiro (http://www.facebook.com/pedro.s.guerreiro), bem como as palavras que a seguir transcrevo:

"A poesia não serve para coisa nenhuma. Às vezes serve para alimentar egos, para fazer uns engates... mas a poesia é inútil. Pelo menos como eu a entendo. É gratuita. Não se compra, não se vende - embora haja muita gente a vender-se através da poesia. De qualquer modo, por algum motivo, os homens escrevem poesia, desde sempre escreveram poesia, apesar de tudo isto. E apesar de a poesia ser uma igreja com muito poucos fiéis".

(Palavras de Manuel António Pina, a fechar o documentário "Um sítio onde pousar a cabeça", de Alberto Serra, realização de Ricardo Espirito Santo, na RTP 2.)

1 comentário:

Para a Posteridade e mais Além disse...

non a poesia é cara

exige tempo livre

e o tempo livre de uns é a escravidão de outros