sábado, 28 de setembro de 2013

Ambiguidades

Diz-se que uma frase é ambígua quando exprime mais do que uma proposição. A ambiguidade é semântica se resulta do facto da frase conter palavras com mais do que um significado. Por exemplo: “A Maria Francisca Botão mostrou-me as notas” tanto pode referir-se a classificações escolares como a dinheiro. (Outro exemplo aqui.) Mas a ambiguidade é sintática se resultar – como sucede no cartoon com a frase “João viu o homem com o telescópio” –  do modo como as palavras estão ligadas. 

10-23-09

Cartoon de Ben Rosen.

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Só os instruídos são livres?

Escada(Homem subindo escada em preto e branco

Epicteto (um filósofo romano que durante muitos anos foi escravo) disse:

“Não devemos acreditar nos muitos que afirmam que só as pessoas livres devem ser instruídas, mas devemos antes acreditar nos filósofos que dizem que só os instruídos são livres” (Dissertações).

Epicteto tinha razão.

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

António Ramos Rosa

A FESTA DO SILÊNCIO

Escuto na palavra a festa do silêncio.
Tudo está no seu sítio. As aparências apagaram-se.
As coisas vacilam tão próximas de si mesmas.
Concentram-se, dilatam-se as ondas silenciosas.
É o vazio ou o cimo? É um pomar de espuma.

Uma criança brinca nas dunas, o tempo acaricia,
o ar prolonga. A brancura é o caminho.
Surpresa e não surpresa: a simples respiração.
Relações, variações, nada mais. Nada se cria.
Vamos e vimos. Algo inunda, incendeia, recomeça.

Nada é inacessível no silêncio ou no poema.
É aqui a abóbada transparente, o vento principia.
No centro do dia há uma fonte de água clara.
Se digo árvore a árvore em mim respira.
Vivo na delícia nua da inocência aberta.

António Ramos Rosa, Volante Verde.

Ramos Rosa

O poeta e tradutor António Ramos Rosa nasceu em Faro, a 17 de Outubro de 1924, e morreu hoje, 23 de Setembro de 2013. A Biblioteca Municipal de Faro tem o seu nome.

Descubra a questão mais básica

Identifique, em cada conjunto de exemplos, a questão ou afirmação mais básica.

A1 - Felismina Bonifácio partiu porque quis. Podia ter ficado mas escolheu ir embora.
A2 - As pessoas serão realmente livres?

B1 - “Dra. Felismina Bonifácio tenha cuidado com essas jarras – são obras de arte!”
B2 - O que distingue uma obra de arte de outro objeto qualquer?

C1 - O que é a beleza?
C2 - “Mãe, quero aquele casaco – é o mais bonito!”

D1 - A teoria do Big Bang é verdadeira.
D2 - O que é a verdade?

E1 - O que diferencia uma ação moralmente correta de uma ação moralmente incorreta?
E2 - Não deves dizer mentiras.

F1 - A cadeira existe mesmo, não é uma ilusão.
F2 - A madeira é feita de átomos.
F3 – A cadeira é feita de madeira.

G1 - Uma intervenção americana na Síria seria ilegítima.
G2 - Haverá condições em que seja legítimo um país atacar outro?

H1 - A pena de morte é moralmente errada.
H2 – Quais seriam as consequências políticas e sociais da introdução da pena de morte em Portugal?

domingo, 22 de setembro de 2013

Demonstração “matemática” da importância do estudo

:)

Regra de 3 simples - quem não estuda não passa

Fonte: PortalMath – Matemática Online

Hannah Arendt: a banalidade do mal

«Após assistir ao julgamento do nazi Adolf Eichmann, a filósofa política Hannah Arendt atreve-se a escrever sobre o Holocausto em termos inauditos. O seu trabalho provoca imediatamente escândalo mas Arendt mantém-se firme ao ser atacada tanto por inimigos, quanto por amigos.
HANNAH ARENDT é um retrato do génio que abalou o mundo com a sua tese sobre a “banalidade do mal”.»

Informação retirada  da Alambique Filmes, onde também pode encontrar um breve dossier sobre o filme.

Uma página a visitar e um filme a não perder!

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Amar o que se faz

Steve-Jobs-dates

Para todos os alunos.

Este é um discurso que Steve Jobs fez numa das melhores universidades americanas (e do mundo) aos estudantes que se tinham acabado de se graduar. Ele, que decidiu abandonar a faculdade no primeiro ano, conta três histórias por si vividas, e faz reflexões sobre o sentido da vida que, além de impressionarem, são "úteis" a qualquer ser humano conhecer.

O segredo é: "Descobrir o que se ama e amar o que se faz".

Vale mesmo a pena ouvir!

domingo, 15 de setembro de 2013

AI: o novo blogue da disciplina de Área de Integração

Este ano letivo, serei professora da disciplina de Área de Integração dos cursos profissionais. Criei um blogue onde publico os materiais didáticos que utilizo nas aulas com os alunos, entre outras coisas. Será, portanto, um manual online, uma vez decidi pedir aos alunos que não comprassem manual. Os primeiros posts são sobre o tema: "A comunicação na era digital".

Quem quiser conhecer o blogue, pode clicar na imagem ou no link da barra lateral deste blogue.

Um bom ano letivo a todos!

image

terça-feira, 10 de setembro de 2013

Uma divisa a ter em conta

 

"Ter os olhos abertos. Fazer o melhor a partir do que existe".

Marguerite Yourcenar

Talvez esta seja uma divisa a seguir na vida em geral e, em particular, este ano letivo, pelos professores cujas condições de trabalho pioraram substancialmente. Há também aqueles que nem se encontram ainda colocados nas escolas, apesar das aulas se iniciarem já na próxima segunda. Mais uma vez a desumanidade e desrespeito pelas pessoas a que o ministério da educação já nos habituou no início de cada ano letivo.

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Os chimpanzés e orangotangos têm personalidade, tal como nós

chimpanze abraça leopardo     chimpanze

«[Conclusão de um] Estudo: Os chimpanzés e orangotangos têm, de facto, personalidades, e estas são semelhantes às humanas.

Uma investigação publicada na revista Animal Behaviour revelou que, numa análise da personalidade de chimpanzés e orangotangos individuais a partir de observações feitas por diferentes humanos, a eliminação da variabilidade individual devida ao observador não alterou as conclusões sobre as características dos animais, sugerindo que os humanos envolvidos no estudo não projetaram as suas ideias ao avaliar o caráter dos primatas.»

Leia mais na Naturlink.

Estes dados são relevantes para a discussão filosófica dos direitos dos animais não humanos, nomeadamente porque sugerem que, além de sofrimento físico, alguns animais não humanos podem sentir sofrimento psíquico.

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Trazer o parlamento às escolas do agrupamento Pinheiro e Rosa

                                                      

Parlamento dos jovens cartaz de divulgação do secundário. by dmetódica

O Parlamento dos Jovens é uma iniciativa institucional da Assembleia da República, desenvolvida ao longo do ano lectivo com as Escolas de todo o país que desejarem participar, Ensino Básico e Ensino Secundário, culminando com duas Sessões Nacionais que se realizam anualmente, na Assembleia da República.

O tema aprovado, pela Comissão de Educação e Ciência da Assembleia da República, para esta edição do Ensino Secundário é

"Crise demográfica (emigração, natalidade, envelhecimento)”.

No ensino básico, o tema é "Drogas – evitar e enfrentar as dependências".

Podem inscrever-se para participar no Programa Parlamento dos Jovens – Ensino Secundário 2013/2014, todas as Escolas do universo do ensino público, privado e cooperativo, abrangendo o Continente, Regiões Autónomas e os Círculos da Europa e fora da Europa. A decisão de inscrição cabe ao Órgão de Gestão de cada Escola, em articulação com o Conselho Pedagógico, formalizando-se com o envio dum formulário de inscrição (on-line), até ao dia 18 de Outubro de 2013.

As inscrições devem ser realizadas no sítio da AR: http://app.parlamento.pt/webjovem2014/index.html

***

Nota: Alguns dos trabalhos e actividades, dos alunos do ano passado, podem ser consultados: AQUI, AQUI, AQUI, AQUI e AQUI.

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Seria correto fazer uma guerra para salvar uma aldeia?

Homem chora com o cadáver do filho nos braços na Síria

As “Nações Unidas, no limite das suas capacidades, deveriam autorizar a intervenção [militar noutros países] que impeça que se cometam crimes contra a humanidade, nos casos em que se pode esperar razoavelmente que isso não provoque um mal maior do que o que evita. Isto aponta não só para um direito de intervir como, nas circunstâncias apropriadas, um dever de intervir.”

Peter Singer, Um Só Mundo: A Ética da Globalização, Gradiva, Lisboa, 2004, pp. 199-200.

Ao explicar a necessidade da intervenção não fazer mais mal que bem, Peter Singer cita (pág. 192) estas palavras (de Michael Doyle): “não faz sentido moral salvar uma aldeia e iniciar a Terceira Guerra Mundial”.

Quando se fala da possibilidade de uma intervenção militar na Síria deve-se, portanto, considerar as graves violações dos direitos humanos perpetradas pelo governo sírio, mas também as consequências prováveis dessa intervenção, nomeadamente no que diz respeito ao número de mortos e feridos. Existe ou não o risco dessas consequência serem ainda piores que as atrocidades de Bashar al-Assad?

terça-feira, 3 de setembro de 2013

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Um novo ano e o fim de um projeto

Este ano, por razões que explico no blogue de Ciência Política (para aceder clicar na imagem), vou suspender a publicação de posts no "Homo politicus" .

Um breve intervalo imposto pelas circunstâncias, espero poder voltar no próximo ano letivo.

image

domingo, 1 de setembro de 2013

Um ano letivo de boas descobertas!

 picture-12

Discurso

E aqui estou, cantando.
Um poeta é sempre irmão do vento e da água:
deixa seu ritmo por onde passa.


Venho de longe e vou para longe:
mas procurei pelo chão os sinais do meu caminho
e não vi nada, porque as ervas cresceram e as serpentes
andaram.


Também procurei no céu a indicação de uma trajetória,
mas houve sempre muitas nuvens.

(...)

Cecília Meireles